Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 08 de novembro de 2016. Atualizado às 14h28.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Educação

08/11/2016 - 15h10min. Alterada em 08/11 às 15h29min

Cresce número de ocupações pelo País, e Ufrgs soma 38 cursos no movimento

Alunos de Relações Internacionais da Ufrgs decidem aderir às ocupações

Alunos de Relações Internacionais da Ufrgs decidem aderir às ocupações


Otávio Tinoco/Divulgação/JC
O número de unidades e estabelecimentos de Nível Superior e Médio públicos com ocupações pelo Brasil cresceu. Os movimentos são contrários à Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do governo federal que coloca teto em gastos e está prestes a ser votada no Senado e à Medida Provisória de reforma do Ensino Médio, todas propostas pelo Governo Temer. A página do Ocupa Tudo Brasil, que é abastecida por movimentos de universitários e demais segmentos, informa nesta terça-feira (8) que são 176 campi pelo País com movimentos. Até sexta-feira passada (4), o número era inferior a 140.
Na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), chegou a 38 o número de cursos com ocupações, segundo acompanhamento da página do Ocupa Letras. Desde essa segunda-feira, passaram a aderir às ocupação os cursos de Biologia, Física, Química, Matemática, Estatística e Relações Internacionais. Nos prédios, cartazes com inscrições como o da Ocupa Química contra a PEC já estão devidamente colados.
{'nm_midia_inter_thumb1':'http://jcrs.uol.com.br/_midias/jpg/2016/11/08/206x137/1_ocupa_quimica-1370126.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'582202210b9bd', 'cd_midia':1370126, 'ds_midia_link': 'http://jcrs.uol.com.br/_midias/jpg/2016/11/08/ocupa_quimica-1370126.jpg', 'ds_midia': 'Prédio do curso de Química da Ufrgs ganha cartazes com decisão de ocupação', 'ds_midia_credi': 'Divulgação/JC', 'ds_midia_titlo': 'Prédio do curso de Química da Ufrgs ganha cartazes com decisão de ocupação', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '747', 'cd_midia_h': '548', 'align': 'Left'}
Assembleias ou votações on-line são os mecanismos de decisão dos alunos. As engenharias, que somam mais de 6 mil universitários na Ufrgs, abriram votação eletrônica nesta terça-feira (8) e finalizam até esta quarta-feira (9). Em plenária na sexta-feira passada, não houve consenso sobre o caminho a tomar e optou-se por votação.    
Servidores técnicos-administrativos da Ufrgs, Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (Ufcspa) e Instituto Federal de Ciência e Tecnologia do RS (IFRS), que também têm ocupações de alunos, aprovam greve. O Conselho Universitário da Ufrgs (Consun) aprovou moção de apoio às ocupações, em documento divulgado em 4 de novembro. O conselho afirmou serem legítimas as mobilizações e se posicionou contra a PEC do teto de gastos, a reforma do Ensino Médico e o projeto de Escola sem Partido. 
Os movimento tentam mobilizar ainda as pessoas a entrarem no site do Senado e participarem da consulta pública sobre a PEC 55. Até a tarde desta terça, o placar indicava 321.144 votos contrários e 20.529 favoráveis.

Atos ampliam o chamado do Ocupa

Restritos aos ambientes de universidades, institutos tecnológicos e outras escolas, os movimentos ganham os primeiros atos de rua. Nesta sexta-feira (11), está sendo chamado o Dia Nacional de Parar Tudo e Ir para Rua. Categorias de trabalhadores aprovaram a adesão, como professores privados no Rio Grande do Sul. Para o dia 29, a convocação pública pelas redes sociais é do Ocupar Brasília. A mobilização quer aproveitar a data prevista para votação em primeiro turno da PEC 55 no Senado, como passou a ser chamada a PEC 241 do Teto dos Gastos, aprovada na Câmara dos Deputados.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia