Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 05 de novembro de 2016. Atualizado às 19h16.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Ensino

Alterada em 05/11 às 20h17min

MEC considera tranquilo primeiro dia do Enem

Presidente do Inep, Maria Inês Fini, acompanhada da diretora de Gestão e Planejamento do órgão e da secretária executiva do MEC fez um balanço do primeiro dia de provas

Presidente do Inep, Maria Inês Fini, acompanhada da diretora de Gestão e Planejamento do órgão e da secretária executiva do MEC fez um balanço do primeiro dia de provas


Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil/JC
Agência Brasil
O primiero dia do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) transcorreu com tranquilidade na avaliação do Ministério da Educação (MEC) e do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Anísio Teixeira (Inep). As provas foram realizadas em 96,86% dos locais de prova. O Inep ainda não tem um balanço das abstenções nem dos candidatos desclassificados por postagens em redes sociais durante a prova ou outro motivo constante no edital.
"Foi bastante tranquilo, mesmo nos locais onde os alunos foram impedidos de comparecer por motivo de invasões e ocupações de escolas", disse a secretária-executiva do MEC, Maria Helena Guimarães Castro. Em coletiva de imprensa, o Inep confirmou o número divulgado no início da tarde de hoje (5) de que o exame foi cancelado em 405 locais, e 271.033 inscritos tiveram as provas adiadas para 3 e 4 de dezembro.
Em dois locais que constavam na lista de cancelamento, a prova foi realizada: no Campus Amazonas da Universidade Federal do Oeste do Pará, em Santarém, e o Centro de Ensino Médio Ave Branca (Cemab), em Taguatinga, no Distrito Federal. O Inep admitiu o erro. "Foi uma instabilidade muito grande esse processo de ocupação e um desafio para o Inep conseguir encaminhar e-mails e SMS até hoje de manhã", justificou a diretora de Gestão e Planejamento do Inep, Eunice Santos.
O MEC ainda não tem uma previsão de quanto custará o adiamento de algumas das provas para dezembro. Ontem (4), a pasta tinha informado que custará mais que a previsão inicial de cerca de R$ 12 milhões.
Com os cancelamentos, o número total de inscritos aptos a fazer o Enem neste final de semana caiu de 8,6 milhões para aproximadamente 8,4 milhões. Os candidatos fizeram hoje as provas de ciências humanas e de ciências da natureza.
Os estudantes que fizeram a prova hoje no Campus Amazonas da Universidade Federal do Oeste do Pará e no Centro de Ensino Médio Ave Branca (Cemab) devem fazer também a prova amanhã. Por terem feito o exame nesse sábado, eles não poderão fazer as provas em dezembro.
Já os estudantes com provas agendadas para esses locais que não compareceram pela notificação de cancelamento farão as provas nos dias 3 e 4 de dezembro.
No caso de novas ocupações que impeçam estudantes que fizeram a prova hoje de prosseguir com o exame amanhã, eles farão o exame nos dias 3 e 4. Hoje, o Inep corrigiu a informação dada ontem de que esses estudantes fariam a prova de dezembro apenas no segundo dia. "O exame é pensado como um todo em termos de dificuldade", explicou a presidente do Inep, Maria Inês Fini.
Os estudantes que chegaram atrasados não poderão aproveitar o adiamento e fazer as provas em dezembro.
Amanhã, os portões serão abertos às 12h e fechados às 13h, no horário de Brasília. Os estudantes devem ficar atentos ao horário de verão e verificar o horário exato do exame na localidade onde moram. As provas começam a ser aplicadas às 13h30 pelo horário de Brasília.
Os participantes terão cinco horas e meia para resolver questões de linguagens e códigos, redação e matemática.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia