Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 01 de novembro de 2016. Atualizado às 12h23.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Campeonato Brasileiro

Alterada em 01/11 às 13h28min

CBF apresenta Brasileirão Feminino com 2 divisões e vagas para 'times de camisa'

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) anunciou nesta terça-feira uma grande reformulação no calendário do futebol feminino a partir do ano que vem. A entidade vai deixar de organizar a Copa do Brasil, que teve o Audax/Corinthians campeão na semana passada, para investir em um Campeonato Brasileiro mais longo, com duas divisões de 16 times.
Para tentar aumentar a visibilidade do futebol feminino, a CBF garantiu seis vagas na Série A1 do Brasileiro para os seis primeiros colocados da Série A do Brasileirão masculino. São os chamados "times de camisa". Caso esses clubes não queiram participar do torneio feminino, as vagas serão distribuídas a partir da classificação da Série A e, se necessário, da Série B.
Já têm vaga garantida o campeão do Brasileirão deste ano, o Flamengo/Marinha, e o vencedor da Copa do Brasil 2016, o Audax/Corinthians, além dos oito primeiros colocados de um ranking nacional que ainda será divulgado.
Esses 16 times serão divididos em dois grupos de oito times, que jogarão em turno e returno. Isso vai garantir que cada equipe faça pelo menos 14 partidas na temporada, contra apenas seis neste ano. Depois, os quatro primeiros colocados avançam às quartas de final, em ida e volta. Com semifinal e final, o campeão terá feito 20 jogos.
Pela primeira vez, o Brasileiro Feminino terá uma segunda divisão, também com 16 equipes, definidas, em 2017, a partir do ranking nacional. A partir de 2018, os clubes serão apontados pelos estaduais. Terão vaga os dois times que forem rebaixados da Série A1, o campeão estadual da federação líder do ranking (provavelmente São Paulo), mais 13 campeões estaduais que virão de uma seletiva mata-mata entre os 26 vencedores restantes.
Na segunda divisão haverá somente um turno dentro do grupo, com os dois primeiros avançando à semifinal. Os finalistas conquistam o acesso. O campeão fica com R$ 50 mil, enquanto que quem vencer na primeira divisão ganha R$ 120 mil.
Como comparação, no ano passado o 16.º colocado do Campeonato Brasileiro masculino, último a escapar do rebaixamento, recebeu R$ 350 mil. O campeão Corinthians ficou com uma premiação de R$ 10 milhões.
A CBF divulgou que custeará tudo nas duas divisões do Campeonato Brasileiro Feminino, com passagens aéreas ou de ônibus (dependendo da distância), hospedagem e alimentação.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia