Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 02 de dezembro de 2016. Atualizado às 13h03.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Petróleo

29/11/2016 - 11h33min. Alterada em 02/12 às 14h08min

Dúvida sobre capacidade da Opep de fechar acordo pressiona futuros de petróleo

Os futuros de petróleo operam em baixa, em meio à falta de convicção entre operadores de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) será capaz de fechar um acordo para reduzir sua produção. Nesta quarta-feira (30), a Opep se reúne em Viena para discutir um plano provisório que prevê cortes na produção conjunta do grupo.
Segundo analistas do Goldman Sachs, porém, o mercado precifica chance de apenas 30% de o cartel chegar a um pacto final nesta quarta-feira. Em setembro, a Opep anunciou metas preliminares de diminuir sua produção em 200 mil a 700 mil barris por dia. Na ausência de um acordo definitivo, projeta-se que os preços do petróleo poderão cair para US$ 35 a US$ 40 por barril.
Já alguns observadores preveem que a Opep até poderá chegar a algum tipo de acerto, mas não o levará adiante, diante de divergências entre Arábia Saudita e Irã, dois dos maiores integrantes da Opep. Na avaliação do Commerzbank, o maior entrave é a insistência dos sauditas para que o Irã limite sua produção a 3,7 milhões de barris por dia.
Outro obstáculo para o acordo é a Rússia, que não faz parte da Opep. Moscou tem indicado que só aceita congelar a produção russa em 11,2 milhões de barris por dia. Para o Kremlin, um eventual congelamento significaria uma redução porque o plano do país era elevar a produção no próximo ano.
Nesta terça (29), as cotações do petróleo subiram entre 2% e 2,2%, após Irã e Iraque sinalizarem a disposição de manter sua produção estável.
Nos negócios da manhã desta terça, porém, o viés era negativo nos mercados da commodity. Às 10h07min (de Brasília), o petróleo tipo Brent para entrega em fevereiro caía 1,77%, a US$ 48,34 por barril, na IntercontinentalExchange (ICE), enquanto o WTI para janeiro recuava 1,89%, a US$ 46,19 por barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex). 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia