Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 28 de novembro de 2016. Atualizado às 14h13.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

comércio

28/11/2016 - 15h13min. Alterada em 28/11 às 15h18min

Vendas na Black Friday sobem 11% em relação a 2015, anuncia Serasa

Para os economistas da Serasa, o crescimento nas vendas da Black Friday em 2016 revela que esta data está ganhando relevância

Para os economistas da Serasa, o crescimento nas vendas da Black Friday em 2016 revela que esta data está ganhando relevância


MARCO QUINTANA/JC
As vendas na Black Friday este ano no Brasil subiram 11% em relação a 2015, segundo pesquisa da Serasa Experian. Foi considerado o dia da promoção em si e o fim de semana subsequente (de 25 a 27 de novembro). Em 2015, o crescimento anual havia sido de 9%.
Para os economistas da Serasa, o crescimento nas vendas da Black Friday em 2016 revela que esta data está ganhando relevância dentre outras comemorações importantes do movimento varejista nacional. "Contudo, é importante ressaltar que um movimento mais forte na Black Friday tende a antecipar e, provavelmente, levar a um enfraquecimento das vendas de Natal", aponta o relatório.
Este mês, levantamento realizado pela plataforma AondeConvem revelou que os usuários estão aproveitando as promoções lançadas no período da Black Friday para adiantar as compras de Natal, que costumam pesar e acumular débitos no orçamento de dezembro. O site fez uma pesquisa online com 10.400 participantes e mostrou que 73% fazem essa antecipação de compra. Os principais objetos de desejo são dispositivos eletrônicos (23,9%), seguidos de roupas (19,4%) e eletrodomésticos (17,3%).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia