Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 28 de novembro de 2016. Atualizado às 13h33.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

28/11/2016 - 14h36min. Alterada em 28/11 às 14h36min

FGV: dados de confiança dos serviços apontam para adiamento da retomada

A piora nas expectativas dos empresários do setor de serviços indica o adiamento do processo de retomada da atividade econômica no País para 2017, avalia Silvio Sales, consultor do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV) e responsável pela Sondagem de Serviços. A redução do índice de confiança, que caiu pelo segundo mês consecutivo, vem sendo puxada pela frustração das expectativas, que esfriaram após seis meses de avanço significativo.
"Não está claro ainda o início de uma estabilização na atividade econômica e muito menos o início do processo de reação, que será gradual mas vem sendo postergado", diz Sales.
O Índice de Confiança de Serviços (ICS) recuou 1,4 ponto na passagem de outubro para novembro, para 77,5 pontos, na série com ajuste sazonal. O Índice de Situação Atual (ISA-S) caiu 0,6 ponto em novembro, para 70,9 pontos, enquanto o Índice de Expectativas (IE-S) diminuiu 2,2 pontos, para 84,5 pontos. O descolamento entre as expectativas e a avaliação do momento presente está diminuindo, mas por conta do ajuste para baixo da percepção dos empresários do setor sobre o futuro.
Sales lembra que o fundo do poço da confiança do setor de serviços foi registrado em setembro do ano passado, quando atingiu 66,4 pontos. A chegada do novo governo deu novo ânimo às expectativas e ao ICS. No entanto, o otimismo não se traduziu em estatísticas econômicas favoráveis até aqui. Para Sales, a percepção de futuro está ficando mais realista frente aos indicadores conjunturais. "A consequência disso para as estatísticas do lado real da economia é que tudo indica que o processo de encolhimento da atividade econômica deve prosseguir", afirma.
O economista avalia que ainda é cedo para avaliar os efeitos da nova crise política detonada pelas denúncias do ex-ministro da Cultura Marcelo Calero, sobre a confiança. Ele destaca, porém, que a expressiva recuperação das expectativas até setembro veio justamente da percepção de um melhor encaminhamento da questão política no País, com consequências no campo econômico. "Isso vem andando de lado", diz
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia