Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 27 de novembro de 2016. Atualizado às 21h28.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Varejo

Notícia da edição impressa de 28/11/2016. Alterada em 27/11 às 22h27min

Vendas de enfeites natalinos ainda não avançam nas lojas

Comerciantes aguardam o início de dezembro para reduzir os estoques dos itens

Comerciantes aguardam o início de dezembro para reduzir os estoques dos itens


JONATHAN HECKLER/JC
Adriana Lampert
Pagar mais de R$ 70,00 por uma árvore de Natal - considerando que ainda será necessário comprar os enfeites da mesma - não está nos planos da advogada Clara Fraga, que, na semana passada, ainda pesquisava preços em busca de um produto de qualidade neste patamar de valor. Assim como ela, muita gente tem preferido "só olhar" as alternativas de enfeites natalinos nas lojas e bazares que vendem itens do gênero na Capital, protelando a compra para mais próximo da data festiva. Enquanto isso, comerciantes aguardam o início de dezembro, para ver o investimento no estoque destes produtos se converter em retorno financeiro.
"Estou achando tudo muito caro", confessa Clara, que até então só havia encontrado árvores com preços em torno de R$ 114,00. "Dependendo do tamanho, existem árvores que custam cerca de
R$ 400,00", confessa a gerente do Bazar Sul, Loreci Silva. "Mas é possível encontrar versões a partir de R$ 13,00", garante. Na loja gerenciada pela comerciária, 10% dos cerca de 2 mil itens expostos são enfeites natalinos. Segundo Loreci, as vendas com foco na decoração de residências estão "razoáveis". Desde novembro, o Bazar Sul está cheio de opções, que vão desde guirlandas e luzes até bonecos de Papai Noel, velas, entre outros produtos que remetem à data Cristã. Mas a gerente acredita que a procura deve aumentar mesmo em dezembro.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia