Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 25 de novembro de 2016. Atualizado às 19h23.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 25/11 às 20h26min

Petróleo fecha em queda nas vésperas da reunião de membros da Opep

Os contratos futuros de petróleo fecharam em forte queda nesta sexta-feira (25), pressionados pelo aumento do ceticismo em torno do acordo para limitar a produção entre os membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), que se reúnem no próximo dia 30 para bater o martelo sobre o pacto.
Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo WTI para janeiro fechou em queda de US$ 1,90 (-3,96%), a US$ 46,06 por barril. Esta foi a maior queda porcentual desde 23 de setembro. Na semana, o WTI cai 0,6%. Na Intercontinental Exchange (ICE), em Londres, o Brent também para janeiro caiu 3,59%, a US$ 47,24, com alta semanal de 0,8%.
Os volumes de negociações foram baixos nos dois últimos pregões em decorrência do feriado de Ação de Graças, nos EUA. Além disso, os investidores têm questionado a possibilidade de países não membros da Opep reduzirem também suas respectivas produções.
O Wall Street Journal reportou ontem que a Opep quer que a Rússia e outros grandes produtores reduzam a produção para 500 mil barris diários, de 600 mil barris diários. Autoridades da Opep disseram hoje que líderes sauditas não participarão mais de uma reunião com esses produtores enquanto esperam que a Opep finalize o acordo, e isso causou a queda brusca.
A Arábia Saudita está apoiando um esforço para cortar a produção em mais de um milhão de barris, para 32,5 milhões de barris, segundo fontes familiarizadas ao assunto. Em setembro a Opep havia concordado em limitar a produção em 33 milhões de barris por dia, mas os detalhes ainda serão acertados.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia