Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 22 de novembro de 2016. Atualizado às 18h13.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 22/11 às 19h15min

Petróleo fecha sem direção definida em meio a incerteza sobre acordo da Opep

Os contratos futuros do petróleo oscilaram durante esta terça-feira (22), e fecharam sem direção definida, enquanto os investidores avaliavam as perspectivas para um acordo entre membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) a fim de limitar a produção do grupo e equilibrar a oferta.
Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o WTI para janeiro fechou em queda de US$ 0,21 (-0,43%), a US$ 48,03 por barril. Já na Intercontinental Exchange (ICE), em Londres, o Brent para o mesmo mês subiu US$ 0,22 (+0,44%), a US$ 49,12 o barril.
Os dirigentes da Opep se reuniram nesta terça em Viena para um encontro técnico para finalizar propostas para conter a produção. Um acordo preliminar sobre o tema foi anunciado anteriormente na Argélia. Agora, os ministros teriam de aprovar os termos da iniciativa, na conferência do dia 30.
O petróleo iniciou a sessão em alta apoiado pela afirmação do delegado da Nigéria, Ibrahim Waya, de que os membros chegariam em um consenso para o acordo. No entanto, os contratos oscilaram e passaram a recuar diante de relatos de que países como o Irã e o Iraque não estariam prontos para limitar a extração de petróleo.
Perto do fechamento, as sinalizações de que a organização chegou a um consenso injetaram novo ânimo no mercado, permitindo que o Brent encerrasse em alta. No entanto, a proposta de um corte de 4% a 4,5% para todos os membros - exceto para a Líbia e Nigéria - deve ser definida apenas no fim do mês.
Os investidores ficarão de olho na reunião de cúpula da Opep, onde os ministros devem bater o martelo sobre a produção.
Parece que Opep "realmente vai deixar o mercado especulando até o último minuto", disse Phil Flynn, analista de mercado do Price Futures Group. Ainda assim, "o mercado não vai precificar o fracasso do acordo até que essa perspectiva esteja realmente morta", completou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia