Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 22 de novembro de 2016. Atualizado às 12h13.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Bancos

Alterada em 22/11 às 13h18min

Santander Brasil quer aumentar participação em cartões com plataforma digital

O Santander Brasil quer ampliar sua participação no mercado de cartões com o lançamento de uma plataforma digital. O banco possui hoje cerca de 13% no segmento e 15 milhões de cartões de crédito ativos, mas não revela o patamar almejado. Há um ano e meio, a fatia estava em 11,5%.
"Queremos continuar crescendo em ritmo mais rápido que o mercado após o lançamento da plataforma", conta o superintendente executivo de cartões do Santander, Rodrigo Cury, em coletiva de imprensa, na manhã desta terça-feira (22).
Batizada de Santander Way, o aplicativo contempla, dentre outras funções, gestão dos cartões, carteira digital, cartão virtual para compras on line, consulta de pontos do programa de fidelidade do banco, o Esfera. No total, são 20 funcionalidades que estarão à disposição de correntistas e não-correntistas, algumas já ativas outras que serão lançadas nos próximos meses. O Santander Way está disponível para os sistemas Android e IOS.
Cury explica que o aplicativo permite que o cliente faça a autogestão dos seus cartões, de limites e habilite os plásticos para uso no exterior. Além disso, a plataforma, conforme o executivo, proporciona uma maior proteção ao cliente. No caso do cartão virtual, conta ele, o código de segurança se altera diariamente, processo chamado de tokenização. Já o número do plástico, de acordo com Cury, não muda, nem mesmo se o cliente tiver o cartão seja roubado.
Segundo ele, o Santander espera que a quantidade de downloads do aplicativo supere até mesmo os milhões de feitas no app do banco. Cury informa ainda que as funcionalidades de cartões disponíveis no ambiente de internet banking serão mantidas, mas a nova plataforma traz mais funções.
No novo app, também será possível consultar o programa de pontos, saldo detalhado, bônus a expirar e ainda a opção de resgate de bônus. A última estará disponível no primeiro trimestre de 2017.
"A ambição é que o cliente consiga operar tudo que está relacionado a meio de pagamentos com o Santander Way", diz Cury.
O aplicativo foi testado pelos 7 mil funcionários da sede do Santander, em São Paulo, durante as últimas semanas. Desenvolvido pelo banco no Brasil, a solução já está sendo exportada para outros mercados. O primeiro deles será o México.
"A solução foi feita no quarto andar e funciona como uma startup, mas é exclusivo para o Santander. É nosso espaço dedicado a inovação e que conta com profissionais de várias equipes", conta Cury, citando que o local foi iniciado em maio, em resposta à pressão do mercado para o desenvolvimento cada vez mais rápido de soluções que atendam às necessidades dos clientes.
O Santander anunciou ainda dois novos cartões de crédito: um com foco no público universitário, o Play, e outro também para o público jovem e que usa mais frequentemente o e-commerce, o 1,2,3. Ambos estarão disponíveis no final de novembro, na bandeira MasterCard, parceiro preferencial do Santander.
Questionado se o banco terá um concorrente para o Nubank, Cury explicou que o Santander já tem produtos que atendem o público foco do concorrente. Já disponibiliza, por exemplo, que o cliente obtenha gratuidade de sua fatura à medida que concentre seus gastos ou tenha maior vinculação em termos de outros produtos com o banco.
Cury disse que os lançamentos, os únicos nos últimos anos, estão em linha com o cronograma do banco ainda que 2016 não tenha sido um ano de anúncios de novos plásticos no mercado brasileiro. Ele acredita que a concessão de crédito será melhor em 2017 do que neste ano, mas destaca que ainda será desafiador à medida que existem 12 milhões de desempregados no País.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia