Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 22 de novembro de 2016. Atualizado às 10h13.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

comércio exterior

22/11/2016 - 11h11min. Alterada em 22/11 às 11h17min

Exportações gaúchas têm queda em todos os grupos de produtos em outubro

O fumo em folhas foi o produto mais vendido no mês

O fumo em folhas foi o produto mais vendido no mês


SINDITABACO/DIVULGAÇÃO/JC
As exportações do Rio Grande do Sul totalizaram US$ 1,252 bilhão no mês de outubro de 2016, um recuo de US$ 276,5 milhões em relação ao mesmo mês do ano anterior (-18,1%). Os dados divulgados nesta terça-feira (22) pela Fundação de Economia e Estatística (FEE) evidenciam que é o segundo mês consecutivo e o quarto no ano que as exportações gaúchas registram variações negativas em todos os índices: valor (-18,1%), volume (-17,2%) e preço (- 1,1%). Houve recuo de valor em todos os grupos de produtos no mês.
No acumulado de janeiro a outubro de 2016, as exportações gaúchas alcançaram US$ 13,736 bilhões, uma redução de US$ 1,360 bilhão em relação ao mesmo período do ano anterior.
Com o resultado, o Rio Grande do Sul é o quarto maior exportador no ranking nacional, uma posição abaixo da ocupada no mesmo período de 2015. Em outubro de 2016, as exportações nacionais tiveram recuo de valor (-14,5%) e de volume (-18,8%), mas crescimento em preços (+5,3%).
Os cinco produtos gaúchos mais vendidos no mês foram fumo em folhas (18,9%), soja em grão (14,7%), carne de frango (5,9%), polímeros plásticos (5,8%) e farelo de soja (4,5%). China (28,1%), Argentina (8,4%), Estados Unidos (6,7%), Bélgica (4,3%) e Chile (3,4%) constituem os principais mercados de destino.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia