Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 21 de novembro de 2016. Atualizado às 17h23.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

Alterada em 21/11 às 18h28min

S&P: recuperação do Brasil será longa e está apenas no começo

Agência O Globo
O caminho da recuperação do grau de investimento pelo Brasil será longo e está apenas no começo, afirmou nesta segunda-feira Lisa Schineller, diretora de ratings soberanos da agência de classificação de risco S&P.
"Este ano, vimos algumas surpresas eleitorais (lá fora, com Trump e Brexit). Aqui, temos alguns votos pendentes para a aprovação da PEC do teto de gastos. Logo, não está nada concluído. Ainda estamos no estagio inicial. É um primeiro passo que precisa ser apoiado. Isso vai requerer uma aliança pluripartidária. Como a trajetória da dívida tende a continuar subindo, trata-se de um desafio para vários governos.Todo o contexto deve tornar ainda mais longo o processo de controle a situação fiscal. Isso permanece um desafio no cenário político e econômico. Temos eleição em 2018, então a janela é curta", disse Lisa.
A executiva participou do seminário "Reavaliando o Risco-Brasil", realizado em parceria entre a Fundação Getúlio Vargas (FGV), a Federação das Indústrias do Estado do Rio (Firjan) e o jornal "Valor Econômico". De acordo com a executiva - que foi por muitos anos a analista responsável pela nota do Brasil -, a melhora da nota de crédito depende tanto de sinalização como de execução de medidas positivas. Em alguns casos, a volta do grau de investimento pode levar décadas, exemplificou, sem fazer previsões sobre o Brasil.
"Quando Colômbia e o Uruguai perderam seus graus de investimento, eles demoraram dez anos até reavê-los. Isso não é uma previsão, é claro. A Rússia conseguiu fazer em menos de cinco anos por meio de mudanças de política. A Índia demorou 20 anos. Isso depende da consistência e da execução de políticas (econômicas)", disse.
A S&P retirou o grau de investimento do Brasil em setembro de 2015 e voltou a rebaixá-lo novamente em fevereiro deste ano, para nota "BB" com perspectiva negativa.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia