Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 21 de novembro de 2016. Atualizado às 09h23.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 21/11 às 10h24min

Taxas futuras de juros renovam mínimas, em linha com dólar e juros dos Treasuries

Os juros futuros recuam na manhã desta segunda-feira (21) e mais cedo renovavam as mínimas, em sintonia com o viés de baixa dos juros dos Treasuries e também com o recuo do dólar ante o real e outras moedas, mesmo sem leilão de recompra de NTN-F pelo Tesouro.
Às 9h35min, o DI para janeiro de 2018 estava em 12,30%, na mínima, de 12,38% no ajuste anterior. O DI para janeiro de 2019 exibia 11,88%, na mínima, de 12,00%, enquanto o vencimento para janeiro de 2021 a 12,04%, na mínima, de 12,15% no ajuste anterior.
Em segundo plano está o Boletim Focus, cujas estimativas do mercado para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deste ano passaram de 6,84% para 6,80%, enquanto as projeções para IPCA de 2017 permaneceram em 4,93%, perto do centro da meta de 4,5%. As estimativas para o câmbio no fim de 2016 subiram de R$ 3,43 para R$ 3,45, e para 2017, de R$ 3,32 para R$ 3,36.
Já a estimativa para retração do PIB em 2016 piorou, passando de -3,37% para -3,40%, enquanto a expectativa para o PIB de 2017 desacelerou de alta de 1,13% para 1,00%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia