Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 21 de novembro de 2016. Atualizado às 07h03.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

21/11/2016 - 08h06min. Alterada em 21/11 às 08h06min

Bolsa de Tóquio volta a fechar no maior nível em 10 meses

A Bolsa de Tóquio voltou a fechar no maior nível em 10 meses nesta segunda-feira (21), favorecida pelo enfraquecimento do iene ante o dólar e pelo avanço do petróleo durante a madrugada.
O Nikkei, que reúne as ações mais negociadas na capital do Japão, subiu 0,77%, encerrando o pregão a 18.106,02 pontos, o maior patamar desde 6 de janeiro. Na semana passada, o índice acumulou valorização de 3,41%.
O iene perdeu terreno para o dólar na sessão asiática, alimentando a demanda por exportadoras no mercado japonês. O fabricante de componentes eletrônicos Murata Manufacturing, por exemplo, avançou 2,46%. No setor automotivo, destacaram-se as montadoras Toyota (+0,68%) e Mazda (+0,65%).
Já o petróleo mostrou bom desempenho ao longo da madrugada, em meio a expectativas de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) chegará a um acordo final para reduzir sua produção no fim deste mês, beneficiando petrolíferas em Tóquio, como a Inpex (+3,15%) e a Japan Petroleum (+2,96%).
Dados da balança comercial do Japão mostraram que as exportações da terceira maior economia do mundo tiveram queda anual de 10,3% em outubro, maior do que a redução prevista por analistas, de 9,4%. De qualquer forma, as exportações japonesas parecem estar em melhor forma do que no período de março a maio, quando a manufatura do país foi afetada por preocupações com uma desaceleração na China e outros fatores externos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia