Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 18 de novembro de 2016. Atualizado às 09h05.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 18/11 às 10h05min

Nos juros, exterior deixa investidor local na defensiva e dá força aos DIs

A cautela externa, que se traduz em avanço dos juros dos Treasuries e dólar forte, prevalece na manhã desta sexta-feira (18) e coloca os juros futuros em alta, ofuscando o efeito de baixa dos leilões de swap cambial do Banco Central no câmbio e de recompra de NTN-F do Tesouro na curva de juros. O pano de fundo para o tom mais defensivo dos mercados é a percepção de que os juros dos Estados Unidos vão subir em dezembro, reforçada na quinta-feira (17) por dados positivos do país e pelo discurso da presidente do Federal Reserve, Janet Yellen.
Na manhã desta sexta, o presidente do Fed de St.Louis, James Bullard, disse estar inclinado "a apoiar uma elevação de juros em dezembro". Ele disse ainda ser provável que a política do novo presidente eleito nos EUA, Donald Trump, impulsione a economia do país em 2018 ou 2019.
Às 9h49min, o DI para janeiro de 2018 estava em 12,43%, de 12,42% no ajuste de quinta. O DI para janeiro de 2019 exibia 12,07%, de 12,04%, enquanto o vencimento para janeiro de 2021 operava a 12,23%, de 12,18% no ajuste anterior.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia