Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 17 de novembro de 2016. Atualizado às 23h05.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria

Notícia da edição impressa de 18/11/2016. Alterada em 17/11 às 23h54min

Confiança do empresário industrial perde fôlego no Rio Grande do Sul

Pelo segundo mês consecutivo, o Índice de Confiança do Empresário Industrial (Icei-RS), divulgado pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs) nesta quinta-feira, registra acomodação, ao fechar em 53,6 pontos em novembro, praticamente o mesmo de outubro (53,5). Esta estabilização, após uma recuperação acelerada entre maio e setembro, mostra que as condições seguem difíceis e que o otimismo perde fôlego. "Ainda que em menor intensidade, predomina entre os empresários gaúchos a perspectiva de que a melhor gestão da economia, passando pela solução para a crise fiscal e o encaminhamento de reformas importantes, deve levar à retomada do crescimento", afirma o presidente da Fiergs, Heitor José Müller.
Em novembro, o Índice de Condições Atuais atingiu 47,9 pontos, uma expansão de 1,3 ponto em relação a outubro. O valor mantém o diagnóstico de piora, pois está abaixo dos 50 pontos. Acima de 50, indica confiança. Já o pequeno aumento em relação ao mês anterior significa que ela se mantém menos intensa. "A ausência ou a demora de resultados concretos até o momento provoca uma revisão nas expectativas dos empresários, que continuam indicando um cenário de arrefecimento da queda ou estabilização da atividade industrial no curto prazo", observa o presidente da Fiergs, enfatizando também que a recuperação deverá ser mais lenta do que se esperava.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia