Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 17 de novembro de 2016. Atualizado às 23h05.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Trabalho

Notícia da edição impressa de 18/11/2016. Alterada em 17/11 às 20h49min

Desemprego entre os negros permanece maior

MARCOS NAGELSTEIN/JC
Guilherme Daroit
A grande elevação na taxa de desemprego em 2015, classificada como a mais forte desde o início da série histórica da Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED) na Região Metropolitana de Porto Alegre, em 1993, não mudou o quadro de menor inserção dos negros no mercado de trabalho. No ano passado, enquanto o desemprego entre os não negros fechou em 8,1%, o percentual de negros sem ocupação foi muito maior, de 12,6% - números que compõem o desemprego geral, que foi de 8,7% em 2015.
A taxa pode ser afetada por dois movimentos: o nível ocupacional, que determina quantas pessoas efetivamente estão empregadas, e a População Economicamente Ativa (PEA), que varia conforme as pessoas saem ou entram do mercado de trabalho, mesmo que apenas procurando uma vaga. Em 2015, ambos contribuíram para o aumento na taxa entre a população negra. Enquanto o número de negros empregados caiu 1,3%, ou três mil vagas, a PEA aumentou 3,1%, o que significa 8 mil negros a mais no mercado.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia