Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 17 de novembro de 2016. Atualizado às 13h59.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura Internacional

Alterada em 17/11 às 15h01min

Em depoimento, Yellen diz que sua intenção é continuar seu mandato no Fed

Em depoimento no Comitê Econômico do Congresso americano, a presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA), Janet Yellen, disse que sua intenção é continuar no Fed, na esteira da vitória de Donald Trump nas eleições dos EUA, e que não pode prever se vai deixar o cargo de presidente da instituição, que vai até fevereiro de 2018, mais cedo. Seu mandato como membro do Fed, no entanto, vai até 2024.
Em relação à Lei Dodd-Frank, estabelecida pelo Escritório de Proteção Financeira ao Consumidor em 2010 - que visa proteger os consumidores de bancos grandes e não-regulados e que a equipe de transição de Trump prometeu "desmantelar" - Yellen afirmou que não gostaria de ver retrocessos nas regulações financeiras. Ela ainda disse que a Lei Dodd-Frank tornou o sistema financeiro dos EUA mais resistente a crise.
A Dodd-Frank implementa algumas reformas e regulações à indústria financeira, principalmente no que tange à transparência e proteção ao consumidor. A lei foi instaurada após a crise de 2008, que teve origem no desregulado mercado financeiro dos EUA.
A equipe de transição de Trump culpou a lei de 2010 por gerar uma recuperação morna da economia desde a crise financeira e disse que o governo Trump irá "substituí-la com novas políticas para incentivar o crescimento econômico e a criação de emprego".
Yellen também declarou que um futuro pacote de estímulo fiscal, se introduzido por Trump, pode ter consequências inflacionárias e um impacto na trajetória futura da política monetária do Fed.
A presidente do banco central disse que viu alguns movimentos significativos do mercado desde a eleição de Trump e que há grandes incertezas, mas o Fed estará observando as decisões do Congresso norte-americano. Yellen afirmou que as incertezas sobre políticas do novo governo ainda durarão por mais tempo e que o Fede ajustará suas perspectivas quando as políticas da próxima administração ficarem mais claras.
Yellen ainda reiterou que a independência do banco central é "extremamente importante" e que há "evidência clara de melhores resultados" de bancos centrais independentes.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia