Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 16 de novembro de 2016. Atualizado às 08h24.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

16/11/2016 - 08h59min. Alterada em 16/11 às 09h28min

IGP-10 de novembro fica em 0,06% ante alta de 0,12% em outubro

A inflação de novembro medida pelo Índice Geral de Preços - 10 (IGP-10) subiu 0,06% após alta de 0,12% em outubro, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV). O resultado, anunciado na manhã desta quarta-feira (16), ficou dentro das projeções dos analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Projeções Broadcast que esperavam desde uma queda de 0,17% a alta de 0,17%. A mediana coincidiu com o resultado, alta de 0,06%.
No caso dos três indicadores que compõem o IGP-10 de novembro, os preços no atacado representados no IPA-10 tiveram queda de 0,06% este mês após subirem 0,12% em outubro. Os preços ao consumidor medidos no IPC-10 apresentaram avanço de 0,35% em novembro depois da elevação de 0,08% no mês anterior. Já o INCC-10, da construção civil, teve taxa positiva de 0,16% após aumento de 0,22% em outubro.
Até novembro, o indicador acumula alta de 6,74% no ano e elevação de 7,61% em 12 meses. O período de coleta de preços para o IGP-10 de novembro foi do dia 11 de outubro até o dia 10 deste mês.
O segmento agropecuário no atacado registrou deflação em novembro. Os preços dos produtos agrícolas atacadistas medidos pelo IPA agrícola caíram 1,04% neste mês, no âmbito do IGP-10. Em outubro, o indicador para este setor havia apresentado queda ligeiramente maior, de 1,07%. A informação foi divulgada pela FGV.
A instituição informou ainda que os preços dos produtos industriais no atacado, medidos pelo IPA industrial, subiram. A alta foi de 0,34% neste mês, contra alta de 0,61% em outubro.
Dentro do Índice de Preços por Atacado segundo Estágios de Processamento (IPA-EP), que permite visualizar a transmissão de preços ao longo da cadeia produtiva, os preços dos bens finais apresentaram queda de 0,57% em novembro, após subirem de 0,04% em outubro.
Os preços dos bens intermediários tiveram queda de 0,26% este mês, após redução de 0,02% em outubro. Já os preços das matérias primas brutas apresentaram avanço de 0,76% em novembro, após terem avançado 0,36% no mês anterior.

Preço de materiais usados na construção civil desaceleram em novembro

Os preços dos materiais usados na construção civil desaceleraram em novembro, dentro do IGP-10.
O Índice Nacional de Custo da Construção (INCC-10) registrou alta de 0,16% no mês, após avanço de 0,22% em outubro. O índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços registrou deflação de 0,06%, após a elevação de 0,14% registrada no mês anterior. Já o índice que representa o custo da Mão de Obra subiu 0,35% este mês, após avanço de 0,29% em outubro.
Os itens que mais pressionaram o INCC-10 em novembro foram os relacionados à mão de obra: engenheiros (1,15%), ajudante especializado (0,23%) e servente (0,25%). Na direção oposta, os principais itens que contribuíram para evitar uma alta maior da inflação da construção foram vergalhões e arames de aço ao carbono (-1,11%), cimento portland comum (-0,88%) e tijolo/telha cerâmica projetos (-0,54%).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia