Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 11 de novembro de 2016. Atualizado às 17h13.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

11/11/2016 - 18h05min. Alterada em 11/11 às 18h17min

Meirelles: governo tem de agir com serenidade diante da mudança do cenário com eleição de Trump

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou nesta sexta-feira (11), que os mercados estão reagindo à possibilidade de uma guinada na política econômica dos Estados Unidos, sob a futura administração Donald Trump, marcada por corte nos impostos e elevação das despesas públicas. Com isso, as expectativas de inflação sobem, assim como os juros futuros, diante da perspectiva de elevação maior na taxa básica americana.
"Temos que primeiro aguardar o que o presidente eleito dos EUA de fato vai fazer. Essa expectativa e volatilidade toda dizem respeito a um discurso de campanha", afirmou Meirelles, após participar de seminário, fechado à imprensa, na Federação das Indústrias do Rio (Firjan). "Isso está se discutindo como uma hipótese e os mercados estão reagindo a isso, mas não sabemos o que o presidente americano de fato vai fazer", completou o ministro.
Segundo Meirelles, diferentemente dos mercados, o governo tem de agir com tranquilidade e serenidade. "O importante é que o Brasil precisa estar com a economia forte o suficiente para enfrentar essas mudanças no cenário internacional. Para isso, temos de fazer as reformas necessárias, e estamos fazendo", disse o ministro, frisando que o governo está "fazendo o dever de casa", e que o projeto de reforma da Previdência está sendo concluído.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia