Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 10 de novembro de 2016. Atualizado às 23h22.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Comércio Exterior

Notícia da edição impressa de 11/11/2016. Alterada em 10/11 às 21h05min

Exportação gaúcha volta a diminuir em outubro

Vendas externas de madeira tiveram crescimento de 120% no período

Vendas externas de madeira tiveram crescimento de 120% no período


JOÃO MATTOS/ARQUIVO/JC
Após caírem 37,9% em setembro, as exportações no Estado voltaram a apresentar forte retração em outubro (18,1%) na comparação com o mesmo período de 2015, ao somarem US$ 1,25 bilhão. Se consideradas apenas as vendas externas da indústria, que alcançaram US$ 1,04 bilhão, o recuo chegou a 8,3%, contra 33% de queda do mês anterior. "Além dos problemas relacionados à queda da demanda externa de países como a Venezuela, temos observado a manutenção do quadro de perda de competitividade das nossas mercadorias no exterior. Diante desse cenário, encerraremos 2016 com o menor valor exportado dos últimos 10 anos", observa o presidente da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs), Heitor José Müller.
A China, que comprou dos exportadores gaúchos US$ 352,2 milhões, reduziu em 23,7% as suas importações do Rio Grande do Sul. Já a Argentina (US$ 105 milhões) baixou 9,3%, enquanto os EUA diminuíram 14,1% (US$ 83,2 milhões). A análise mostra que os produtos básicos sofreram retração de 47,4% (US$ 199 milhões), puxados pelo desempenho dos embarques de soja, que caíram 48,1%.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia