Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 10 de novembro de 2016. Atualizado às 11h14.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

10/11/2016 - 12h08min. Alterada em 10/11 às 12h18min

Bovespa sobe na carona do bom humor do mercado no exterior

A Bovespa abriu em alta nesta quinta-feira (10), aproveitando o bom humor externo à medida que os investidores tentam assimilar possíveis vantagens da vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais dos Estados Unidos. Às 10h35min, o Ibovespa avançava 0,55%, aos 63.604,14 pontos.
No mercado futuro em Wall Street, os índices apontam para uma continuidade dos ganhos na sessão desta quinta, mas o ímpeto é limitado após a alta de mais de 1,0% da véspera. A trajetória positiva ainda é impulsionada por expectativas de que a proposta do republicano de cortar impostos para o setor corporativo e aliviar a repatriação de lucros de empresas no exterior ajude a impulsionar a economia norte-americana.
Voltando à Bovespa, os ganhos são conduzidos principalmente por Vale e siderúrgicas, em linha com o forte avanço das mineradoras globais. Por outro lado, o setor financeiro pesa e limita a valorização da Bolsa. As ações PN do Bradesco figuram entre os destaques de baixa do Ibovespa, com recuo de 1,54%.
O banco divulgou mais cedo balanço referente ao terceiro trimestre de 2016, com lucro líquido contábil de R$ 3,236 bilhões, cifra 21,5% menor que a registrada em um ano. Em relação aos três meses imediatamente anteriores, foi identificada retração de 21,7%.
O resultado já considera as demonstrações do HSBC Brasil. Em relatório, o UBS destacou o impacto do HSBC e pontuou como negativo a menor margem financeira, o fraco resultado de seguros e o menor capital nível 1. Também saíram antes da abertura os números de Banco do Brasil, Eletrobras, Braskem e Kroton.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia