Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 09 de novembro de 2016. Atualizado às 08h44.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

09/11/2016 - 09h41min. Alterada em 09/11 às 09h45min

Inflação de Porto Alegre sobe na primeira semana de novembro

O Índice de Preços ao Consumidor Semanal da cidade de Porto Alegre (IPC-S/Porto Alegre), calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), registrou variação de 0,24%, na apuração realizada na primeira semana de novembro de 2016. O resultado foi 0,03 ponto percentual (p.p.) superior ao divulgado na quarta semana de outubro, que foi de 0,21%.
Nesta edição, três das oito classes de despesa componentes do índice apresentaram aceleração em suas taxas de variação, entre as quais se destacam os grupos: Educação, Leitura e Recreação e Vestuário, cujas taxas passaram de -0,12% para 0,22%, e de 0,58% para 0,83%, respectivamente.
A análise deste resultado mostra que as pressões acima da variação média foram exercidas pelos grupos: Comunicação; 0,86%, Vestuário; 0,83%, Saúde e Cuidados Pessoais; 0,47% e Alimentação; 0,29%. Mostra também que se situaram em nível abaixo da variação média os grupos: Educação, Leitura e Recreação; 0,22%, Transportes; 0,16%, Habitação; -0,03% e Despesas Diversas; -0,19%. As tabelas que se seguem sintetizam e exemplificam as variações de preços ao consumidor na cidade de Porto Alegre.
No geral, o IPC-S subiu em cinco das sete capitais pesquisadas. O avanço foi de 0,05 ponto porcentual (p.p.) ante a quadrissemana anterior e marcou 0,39%.
Além de Porto Alegre, o IPC-S apresentou avanço em Salvador (0,43% para 0,47%), Brasília (0,14% para 0,34%), Belo Horizonte (0,22% para 0,30%) e São Paulo (0,31% para 0,41%).
Em contrapartida, o indicador registrou recuo em Recife (0,45% para 0,38%) e Rio de Janeiro (0,54% para 0,51%).
Com informações de Agência Estado.
A tabela a seguir, apresenta as variações percentuais dos municípios das sete capitais componentes do índice, nesta e na apuração anterior.
ipcs
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia