Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 08 de novembro de 2016. Atualizado às 10h17.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

indústria

08/11/2016 - 10h14min. Alterada em 08/11 às 11h19min

Rio Grande do Sul está entre as nove regiões com crescimento na produção industrial no País

Apesar de leve alta frente a agosto, fábricas tiveram queda de 1% frente ao mesmo mês de 2015

Apesar de leve alta frente a agosto, fábricas tiveram queda de 1% frente ao mesmo mês de 2015


MULTIMÓVEIS/DIVULGAÇÃO/JC
O Rio Grande do Sul está entre as nove regiões do País que registraram crescimento na produção industrial em setembro frente a agosto deste ano. A Pesquisa Industrial Mensal (PIM) com dados da produção física regional foi divulgada nesta terça-feira (8) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Mas frente a setembro de 2015 a base local ainda está no vermelho, com queda de 1%.
As unidades gaúchas aumentaram em 0,7% a atividade. O avanço mais intenso foi no Espírito Santo, com alta de 9%, eliminando a perda de 7% no mês anterior. Os demais resultados positivos foram em Minas Gerais (2,0%), São Paulo (1,6%), Região Nordeste (0,6%), Amazonas (0,5%), Pará (0,5%), Rio de Janeiro (0,5%) e Pernambuco (0,2%).
Na direção oposta, houve perdas em Goiás (-3,3%), Ceará (-1,9%) e Bahia (-1,6%). As indústrias de Paraná e Santa Catarina permaneceram estáveis, sem crescimento. No total do País, a produção industrial aumentou 0,5% em setembro ante agosto.
Frente a setembro de 2015, o Rio Grande do Sul teve queda de 1%, ficando no grupo de 13 unidades das 15 pesquisadas com desempenho negativo. O Espírito Santo, que liderou o saldo positivo frente a agosto deste ano, recuou 19,7%, pressionado pela produção menor do setor extrativo. O resultado negativo percorreu ainda Goiás (-11,5%), Amazonas (-10,9%), Mato Grosso (-10,3%), Paraná (-9,1%), Bahia (-8%), Ceará (-6,1%), Pernambuco (-3,4%), Região Nordeste (-2,8%), Minas Gerais (-1,8%) e Rio de Janeiro (-0,1%).
Pará teve expansão de 3,6%, puxada pelo setor extrativo, como minérios de ferro em bruto. Santa Catarina teve ligeira variação positiva de 0,2%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia