Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 07 de novembro de 2016. Atualizado às 11h36.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Conjuntura

07/11/2016 - 11h56min. Alterada em 07/11 às 12h37min

Mercado sinaliza queda levemente maior do PIB em 2016

A projeção para o Produto Interno Bruto (PIB) foi a que teve pior desempenho no Relatório de Mercado Focus divulgado nesta segunda-feira (7) pelo Banco Central (BC). As estimativas para 2016 indicam retração levemente acima do prognóstico da semana anterior, de 3,3% para 3,31%. Foi a quinta semana consecutiva de piora nas projeções. Há um mês, a perspectiva era de recuo de 3,15%. 
A expectativa para a inflação ficou no mesmo patamar da semana anterior, com melhora de ânimo para 2017. Mesmo com altas nos preços de energia e impostos no Rio de Janeiro, o IPCA se manteve na tendência da semana passada, de 6,88% no ano. Há um mês estava em 7,04%. Para 2017, o índice foi alterado para menos de 5% para 4,94%. Há quatro semanas o IPCA era projetado em 5,06%. A Selic segue com aposta de fechar em 13,5% no fim de 2016. 
O câmbio aponta cotação de R$ 3,20 no encerramento de 2016, mesmo patamar de uma semana antes. Há um mês, estava em R$ 3,25. O câmbio médio de 2016 seguiu em R$ 3,43, ante R$ 3,44 de um mês antes. 

Economia também cresce menos em 2017

Para 2017, o Focus mostra que a percepção também piorou levemente. O mercado prevê para o País um crescimento de 1,2%, abaixo do 1,21% projetado uma semana antes. Há um mês, a expectativa era de 1,30%. O BC trabalha com uma retração de 3,3% para o PIB em 2016 e com uma alta de 1,3% para 2017.
A produção industrial segue indicando um cenário difícil. A queda prevista para este ano permaneceu em 6%. Para 2017, a projeção de alta da produção industrial seguiu em 1,11%. As projeções para o indicador que mede a relação entre a dívida líquida do setor público e o PIB para este ano passaram de 45% para 45,15%. Há um mês, estava em 44,8%. Para 2017, as expectativas no boletim Focus seguiram em 49,8%, ante projeção apontada um mês atrás de 49,65%.

Preços administrados não afetam IPCA 

Em 28 de outubro, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) decidiu que as faturas de energia terão a cobrança da chamada "bandeira amarela" em novembro. Na última sexta-feira (4), o governo fluminense aumentou o ICMS para gasolina, energia elétrica, serviços de comunicação, gasolina, fumo, cervejas e refrigerantes.
As instituições que mais se aproximam do resultado efetivo do IPCA no médio prazo, denominadas Top 5, indicam mediana passando de 6,89% para 6,97%. Para 2017, seguiu em 5,03%. Quatro semanas atrás, as expectativas eram de, respectivamente, 7,02% e 5,13%. Para outros índices, como IGP-DI de 2016, o mercado apontou 7,30%, acima de 7,29% da semana anterior. O IGP-M, referência de contratos de aluguel, ficou em 7,53% no ano e 5,36% para 2017.
Dólar 
Para o fim de 2017, a mediana do câmbio foi de R$ 3,40 para R$ 3,39 de uma divulgação para a outra, ante R$ 3,40 de um mês antes. Já o câmbio médio de 2017 passou de R$ 3,33 para R$ 3,31 - estava em R$ 3,36 um mês atrás.
Na ata do último encontro do Comitê de Política Monetária (Copom), o BC considerou um dólar a R$ 3,20 para as projeções em seu cenário de referência. Nas últimas semanas, o Banco Central também seguiu com sua estratégia de leilões diários de swap cambial reverso, cujo efeito nas cotações é equivalente à compra de dólares no mercado futuro. Com isso, vem reduzindo gradativamente sua posição vendida em swaps cambiais tradicionais, hoje na faixa dos US$ 24 bilhões.

Selic recua a 13,5% até fim do ano, diz Focus

Os economistas do mercado financeiro mantiveram a expectativa que a Selic, hoje em 14% ao ano, passe por mais uma redução de pelo menos 0,50 ponto porcentual em 2016 no encontro do Comitê de Política Monetária (Copom) em novembro.
O Relatório de Mercado Focus trouxe nesta segunda-feira, 7, que a mediana das previsões para a taxa básica de juro no fim de 2016 permaneceu em 13,50% ao ano. Na prática, se confirmado, isso significará um corte maior - de meio ponto porcentual - que o promovido pelo BC em 19 de setembro (de 0,25 ponto porcentual). Há um mês, os economistas esperavam que a Selic terminasse 2016 em 13,75%.
Para o fim de 2017, a projeção do Focus seguiu em 10,75% ao ano, ante 11,00% ao ano de um mês atrás. Na ata do último encontro do Copom, o colegiado do BC afirmou que cortes maiores da Selic dependerão da retomada da desinflação de serviços e de avanços no ajuste fiscal. Isso foi reforçado na semana passada pelo presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, em palestras realizadas em São Paulo.
No relatório Focus, a Selic média de 2016 permaneceu em 14,13% ao ano. Para 2017, seguiu em 11,63% ao ano. Há um mês, a mediana das taxas médias projetadas para este e o próximo ano eram de 14,16% e 11,75%, nesta ordem.
Para o grupo dos analistas consultados que mais acertam as projeções (Top 5) de médio prazo, a taxa básica terminará 2016 em 13,75% ao ano, e, não, em 13,50% ao ano como previsto uma semana antes. Há um mês, a projeção era de 13,75% ao ano. Para o ano que vem, as estimativas do Top 5 ficaram estáveis em 11,25% ao ano, mesmo patamar de um mês atrás.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia