Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 06 de novembro de 2016. Atualizado às 13h50.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

indústria automotiva

Alterada em 06/11 às 14h55min

Volkswagen pode não ter informado investidores sobre escândalo em tempo hábil

Promotores alemães ampliaram a investigação sobre a diretoria da Volkswagen AG para incluir o atual presidente do conselho de administração, Hans Dieter Pötsch, com a alegação de que a gestão da empresa não comunicou os investidores em tempo hábil sobre o caso de emissões de poluentes por parte de veículos nos Estados Unidos acima do limite, o que também é a base de um litígio civil que envolve ao menos 8 bilhões de euros (US$ 8,92 bilhões) em danos.
Pötsch era diretor financeiro da Volkswagen até setembro de 2015, quando ele foi eleito presidente do conselho, em meio ao escândalo.
A Volkswagen reafirmou sua convicção de que conselho de administração "cumpriu devidamente com a sua obrigação de divulgação (das investigações) nos termos da legislação do mercado de capitais alemão."
Autoridades ambientais norte-americanas divulgaram em setembro de 2015 que a Volkswagen admitiu ter instalado um software ilegal em alguns veículos movidos a diesel com o objetivo de fraudar testes de emissões de poluentes. A notícia provocou uma onda de vendas maciça de ações da Volkswagen, que perdeu quase metade de seu valor em questão de dias.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia