Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 03 de novembro de 2016. Atualizado às 15h14.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

indústria

Alterada em 03/11 às 16h15min

Desempenho industrial gaúcho tem nova queda em setembro e bate piso histórico

O Índice de Desempenho Industrial (IDI-RS) recuou 1,8% em relação ao mês anterior, feito o ajuste sazonal, de acordo com boletim divulgado nesta quinta-feira (3) pela Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs). O resultado levou o IDI-RS, pela terceira vez em cinco meses, ao piso da série histórica, iniciada em 2003.
"Os números de setembro mostram que, após três anos de recessão, as condições que nos levaram à crise persistem e o processo de retomada deverá ser lento e difícil", avalia o presidente da Fiergs, Heitor José Müller.
Dos seis componentes do indicador que mede a atividade do setor no Estado, apenas a massa salarial registrou expansão em setembro, na comparação com agosto, crescendo 0,5%. Todos os demais caíram, com destaque para o faturamento real das empresas, que recuou 16,8%. As horas trabalhadas na produção recuaram 1,5%, as compras, 0,9%; e o emprego, 0,4%, enquanto a Utilização da Capacidade Instalada (UCI) baixou de 77,8% para 77%.  
No acumulado de 2016, frente aos primeiros nove meses do ano anterior, o recuo do IDI-RS alcançou 6,7%. A queda é compartilhada por todos os componentes, com destaque para o faturamento real (-10,9%) e compras industriais (-7,6%). Caíram também as horas trabalhadas na produção (-5,8%) e a UCI (-0,6%). No mercado de trabalho, o emprego teve redução de 8,1%, que se refletiu na massa salarial real (-9,6%).
"A recuperação da atividade industrial depende da retomada da demanda interna. A redução do consumo e dos investimentos são reflexos da queda no emprego e da renda, do crédito mais caro e difícil e da elevada ociosidade no setor produtivo", diz Müller.
A retração da atividade industrial gaúcha no acumulado do ano ocorreu em 15 das 17 atividades abrangidas pela pesquisa. Máquinas e equipamentos (-12,7%) e Veículos automotores (-10,2%) seguem como os principais destaques negativos. Também contribuíram na mesma direção as baixas de Produtos de metal (-11,1%), de Móveis (-14,8%) e de Alimentos (-3,3%).
Em comparação com o mesmo mês de 2015, o IDI-RS atingiu a 31ª queda seguida, 8,1% em setembro.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia