Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 03 de novembro de 2016. Atualizado às 09h03.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Cobre opera em alta, beneficiado por petróleo

Os contratos futuros de cobre operam em alta nesta quinta-feira (3), beneficiados pelo dólar um pouco mais fraco e pelo avanço do petróleo.

Às 9h40min (de Brasília), o cobre para três meses subia 0,4%, a US$ 4.921 a tonelada. Às 9h51min, o cobre para dezembro avançava 0,07%, a US$ 2,2320 a libra-peso, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex).

O dólar estava um pouco mais fraco ante algumas moedas, o que em geral tende a beneficiar o cobre, já que com isso o metal se torna mais barato para os detentores de outras divisas. Além disso, o petróleo avança nesta manhã, o que tende a apoiar o cobre, pois ambos muitas vezes são negociados na mesma cesta, com uma parcela maior alocada para o petróleo.

Sinais recentes positivos da indústria da China também beneficiavam o cobre nesta manhã. O país asiático é o maior consumidor do metal.

Na LME, o alumínio subia 0,76%, a US$ 1.729,50 a tonelada, o chumbo avançava 0,66%, a US$ 2.073,50 a tonelada, o estanho tinha alta de 0,1%, a US$ 20.810 a tonelada, o zinco ganhava 0,95%, a US$ 2.452,50 a tonelada, e o níquel tinha ganho de US$ 10.450 a tonelada.

Analistas do Commerzbank disseram que o preço do níquel pode se beneficiar de um déficit na oferta. Eles citam um relatório de pesquisadores do MEPS que previam uma expansão na produção de aço inoxidável global.

O Commerzbank advertiu que o lado da oferta seria crucial, já que dois grandes exportadores recentemente reduziram a produção.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia