Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 01 de dezembro de 2016. Atualizado às 21h14.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Jaime Cimenti

Livros

Notícia da edição impressa de 02/12/2016. Alterada em 01/12 às 17h31min

Gustavo Franco Carvalhal, médico e poeta

O médico e professor da Pucrs Gustavo Franco Carvalhal nasceu em Porto Alegre, onde viveu uma infância cercado por livros e música. Filho do consagrado médico Alcides Diniz Carvalhal e da saudosa professora de literatura da Ufrgs, escritora e crítica literária Tania Franco Carvalhal (a quem a obra é dedicada), em meio às intensas e brilhantes atividades, além de dedilhar o violão clássico, Gustavo acaba de lançar seu primeiro volume de poemas.
Ver o mar (Editora Movimento,224 páginas) apresenta 128 poemas em português e inglês. Logo de início, os leitores perceberão que o autor é voraz e atento leitor de prosa e poesia de qualidade, além de ouvinte de boa música, especialmente jazz e blues. Os versos falam de viagens pelo mundo, como Desayuno (Cartagena de Indias); do pai - War Paint; da mãe - Paris; de medicina - em Ars Curandi; do mar - Ver o mar (poema título); das filhas - Semente e filha; da mulher - Rapaz solteiro procura; de amor, do papa, de missa pagã, de skype e de outros temas clássicos e atuais.
No prefácio, a professora Maria Luiza Berwanger da Silva escreve: "em Ver o mar, "todas as letras" recuperam, para o poeta, o sopro vital e o prazer de experienciar articulados pelo sujeito que se instala aquém e além do cotidiano precário a ser trasmudado. Pensamento que realiza a constante passagem do descorado melancólico dos dias à multicolorida surpresa do instante."
Na contracapa, o poeta Affonso Romano de SantAna registra: "seu livro é surpreendente. Gostei de lê-lo. Você coloca nele o que é fundamental no fazer poético: força da escrita e uma visão pessoal do mundo. Há poemas invejáveis e você maneja bem o verso em português e em inglês. Lembrou-me de algo precioso: a poesia é esse respirar do indivíduo ante a perplexidade da vida. Os poetas, desde os chineses, anotam nosso pasmo diante do cotidiano, do amor e de outras incertezas".
Nada melhor para meus queridos leitores que deixar o poeta Gustavo declamar: "No meio do caminho ou mais/Resolvi me desgarrar de tudo/E me abandonar à vida/ Nada mais a dizer ou a fazer/Nenhuma esperança nos homens/ Me torturando o peito/ Nenhum desejo ou ambição/ Eis que de súbito uma harmonia/ Como a dos melhores poemas/Me invade a mente e o peito/ Deixando tudo inefável/ Leve, luminoso e claro/ Como um verso sem palavras/ Como uma página em branco/ Como um último suspiro.
Ver o mar é estreia promissora. O poeta está apenas no meio do caminho, com palavras e silêncios eloquentes, com versos e suspiros que celebram as certezas, as incertezas, o amor e o todo da vida. Bem-vindo ao mundo do verso e do reverso, poeta Gustavo! Dante, Eliot, Drummond, Quintana e companhia te abençoam!

No coração do coração

"O coração tem razões que a própria razão desconhece", disse o matemático, físico e pensador francês Blaise Pascal. "As melhores e mais belas coisas do mundo não podem ser vistas ou tocadas. Elas devem ser sentidas com o coração", falou Hellen Keller, conferencista, ativista e escritora norte-americana, a primeira surda e cega a obter um bacharelado. "O essencial é invisível para os olhos, só se pode ver com o coração", contou Saint-Exupéry, autor de O Pequeno Príncipe.
Entre as questões físicas, emocionais e filosóficas, vamos vivendo com nossos corações, sabendo que é preciso tratá-los bem, para que eles sigam movimentando nosso sangue, nos proporcionando momentos de vida, convívio e significado.
Essas são algumas frases famosas sobre o coração, que no Google, no dia 29 de novembro de 2016, tinha 164 milhões de resultados. Como o assunto é vital, e o brasileiro, principalmente, não é muito de ler manual, o Dr. Fernando Lucchese resolveu prestar sua colaboração e lançou há poucos dias Coração: Modo de usar - O manual do proprietário (L&PM, 336 páginas). O manual trata da história do coração, forma de funcionamento, manutenção preventiva, consertos e, no apêndice, relaciona os exames para prevenir e remediar.
Mesmo em tempos de informações eletrônicas ou talvez por isso mesmo, não é fácil encontrar sempre informações sistematizadas, corretas e verdadeiras sobre o coração. A obra do Dr. Lucchese pretende auxiliar os leitores, desde cedo, a usarem bem seu equipamento cardíaco. Alguns corações requerem mais cuidados, alguns menos e outros requerem até um transplante. Ensina o professor Lucchese que o coração é um órgão quase perfeito, que não precisa de atualizações e que, nos transplantes, o modelo implantado é o mesmo.
Quando perguntam: por que tantos corações não duram o tempo previsto, tantos necessitam de consertos para manter-se? Dr. Lucchese responde: é simples, meu caro amigo, os proprietários desses não leram o manual, não aprenderam o modo de usar, de fazer sua manutenção preventiva.
A primeira parte do livro fala do funcionamento do coração, a segunda trata das doenças, a terceira de manutenção preventiva, muito importante, com regras para uma vida saudável, dietas, exercícios e informações úteis sobre medicamentos. Na quarta parte, indicações para o proprietário do coração para procurar o mecânico certo, a oficina competente e buscar o tratamento adequado. Na quinta parte, a última, o apêndice, os leitores encontrarão informações sobre exames, vitaminas, sintomas e conceitos sobre coração.
Enfim, com informações sobre o funcionamento do coração, sobre doenças, sobre manutenção, dietas, tratamentos, remédios e exames, podemos fazer nossos corações baterem mais e melhor.

A propósito...

Há quem diga que o coração é só um músculo, que a sede das emoções seria o cérebro, a cabeça. Mentira, mesmo que seja verdade. Na real, o coração é o órgão mais charmoso e bonito do corpo humano, com seus movimentos, suas reações, sua força e sua fragilidade. Nada mais poético, romântico e humano: coração, força, fragilidade, paixão, amor, morte. Sabem tudo os poetas e apaixonados. Então é preciso tratar o coração com carinho, da primeira à última batida. Leia o manual, dê um colo para o seu coração. Aí quem sabe ele vai bombar por muito tempo a alegria vermelha. Vermelho, a cor da vida, da paixão, do amor, de vez em quando do pecado e um dia de novo da Taça de Campeão.
 

lançamentos

Vinhos do Brasil - do passado para o futuro (FGV Editora, 584 páginas), coordenado por Valdiney C. Ferreira e Marieta de M. Ferreira, traz a história da vitivinicultura gaúcha, crises, o impacto das multinacionais, estratégias das pequenas, médias e grandes vinícolas para enfrentar o custo Brasil, os importados e muitos depoimentos de enólogos e produtores.
Sala de embarque (Editora Metamorfose, 208 páginas), romance de estreia do empresário e blogueiro Léo Ustárroz (leoustarroz.blogspot.com.br), é um belo e complexo jogo borgeano, com histórias, tempos e personagens que se multiplicam engenhosamente numa sala de embarque de um aeroporto.
Curumim contou - Kyringue Omombe'u (Secco Editora, 72 páginas), do projeto Dufrio Escrevendo o Futuro, traz textos dos alunos da Escola Municipal Professora Ana Íris do Amaral e da Escola Estadual Nhamandu Nhemopu'ã. As histórias são em português e guarani e valorizam a natureza e a diversidade cultural.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia