Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 08 de novembro de 2016. Atualizado às 10h32.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR

Frases e Personagens

Notícia da edição impressa de 08/11/2016. Alterada em 08/11 às 11h32min

Frases e personagens

"Os eleitores indicaram que o PMDB em Porto Alegre deve ficar na oposição. Por isso, não aceitamos - nem recebemos convite - para participar do futuro governo da Capital. Seremos independentes." Antenor Ferrari, presidente do PMDB em Porto Alegre.
"Acredito que teremos dois meses fortes de produção de veículos até o fim do ano. O Salão do Automóvel, que será aberto ao público nesta quinta-feira, representará a virada que precisamos, com o mercado voltando a crescer. Haverá crescimento de um dígito 'parrudo', acima de 5%, em 2017." Antonio Megale, presidente da Anfavea.
"O Supremo Tribunal Federal (STF) decidirá sobre a cessão obrigatória pelo governo de remédios de alto custo sem registro no Brasil. Tenho simpatia pelo acesso aos medicamentos." Cármen Lúcia, presidente do STF.
"A Constituição nos garante. A dor tem pressa. Eu lido com o humano, eu não lido com o cofre. O que o juiz fala quando a gente discute o tema é que há uma judicialização da saúde. Não. Há a democratização da sociedade brasileira, do cidadão que até a década de 1980 morria sem saber que tinha direito à saúde e que podia reivindicar esse direito. Como juíza, o meu papel é garantir esse direito." Também Cármen Lúcia.
"O aumento na judicialização da saúde desestrutura o planejamento dos gastos da pasta. A ação judicial não cria recurso, ela desloca recurso previsto para outra ação programada. Em 2015, foi destinado R$ 1,1 bilhão em 14.940 ações que demandam tratamentos e medicamentos. A projeção para 2016 é de R$ 1,6 bilhão. Até setembro, já havia sido gasto R$ 1,05 bilhão, com 16.301 ações até julho." Ricardo Barros, ministro da Saúde.
"O foro privilegiado deveria ser restrito aos três chefes dos Poderes. E jamais serei candidato a qualquer cargo político." Sérgio Moro, juiz federal, responsável pela Operação Lava Jato.
"A sugestão é simplista. Para todo problema complexo, uma solução simples é geralmente errada." Gilmar Mendes, presidente do TSE, respondendo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia