Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 16 de novembro de 2016. Atualizado às 08h24.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Carlos Pires de Miranda

De Olho na tevê

Notícia da edição impressa de 16/11/2016. Alterada em 15/11 às 20h56min

De volta ao Brasileirão

Seleção é bom, espero que contra o Peru também tenha sido. Mas nada melhor do que ver nossos grandes times, em momentos decisivos do principal campeonato do País. Amanhã, contra o São Paulo, o Grêmio faz um treino de luxo pensando na Copa do Brasil. Já o Inter terá seu jogo do ano contra a Ponte. Seu adversário pouco tem a perder, possui um treinador competente e um grupo acima da média, embora ultimamente tenha entrado em declínio. O Colorado terá seu melhor time possível - somando-se a 40 mil vozes na torcida, deve vencer. Até porque nunca precisou tanto.
Pobres clubes de pouca torcida
O Brinco de Ouro do Guarani de Campinas quase foi arrematado, o Canindé da Portuguesa sofre uma séria ameaça, mas há um estádio bem maior do que ambos, prestes a ir a leilão judicial: o do América de Rio Preto (SP). Inaugurado com 50 mil lugares (hoje encolheu para 37 mil) é o segundo em capacidade do interior paulista. Grandes estádios não correspondem necessariamente a grandes torcidas. E estas, muitas vezes, não têm casa própria. Exemplos: as de Flamengo, Botafogo, Fluminense, Atlético-MG e Cruzeiro, clubes que jogam sempre em estádios alugados.
Xavante, o sonho acabou bem
Antes assim. Subir para série A e virar saco de pancadas, como América-MG ou Santa Cruz, não acrescenta. Melhor um voo seguro, em velocidade de cruzeiro, que permita ascender em condições de permanecer na principal divisão do futebol brasileiro. Um projeto para dois ou três anos - podendo subir já em 2017 - que alce o Brasil, sua cidade de Pelotas e o Rio Grande a um patamar mais elevado no futebol, mas com solidez. A diretoria tem de arregaçar as mangas e a comunidade - especialmente a empresarial - somar-se a esse esforço. Manter e melhorar, eis o lema.
Pintou um novo Senna
Para pilotar como Ayrton, falta muito. Mas a ousadia que o jovem holandês Max Verstappen tem demonstrado na pista faz lembrar demais de nosso saudoso tricampeão da F-1. Na chuva, então... Domingo parecia o GP de Mônaco (1984) em que Senna, com 24 anos, a bordo de uma precária Toleman, fazia corajosas ultrapassagens, com irrepreensível técnica. Só não venceu porque interromperam a prova. Verstappen também é da estirpe dos vencedores. Já Felipe Massa emocionou muita gente, a pé pelo circuito e na tevê. Está saindo na hora certa, ainda com honra.
Bolzan, de goleada
Bolzan ganhou facilmente a reeleição, um prêmio à austeridade nas finanças e o quase sucesso no futebol, com a perspectiva de título da Copa do Brasil. Mas, sem essa conquista ou a vaga no G-7 (espaço que o Atlético-MG pode abrir), o retrospecto se esvaziaria - e a votação também. Sempre restarão o trabalho de Renato (se topar um veraneio nas praias do Gauchão), a revelação de jovens e mais saúde nos cofres. Para a oposição, ficou a semente, claro objetivo do grupo que lançou Raul Mendes: Danrlei vai vencendo os prazos e chegará forte à disputa pela presidência em 2019.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Dorian R. Bueno 16/11/2016 09h14min
ATLETAS COLORADOS, TREINEM PONTOS DE REFERÊNCIAS !!!nnLembro que no antigo BEIRA-RIO, alguns jogadores do passado tinham pontos de referências para lhe ajudar na hora que fosse chutar a bola no GOL adversário, e isto funcionava demais.nnSe eu fosse administrador do novo BEIRA-RIO, mudaria até mesmo a posição das torcidas organizadas, placas de publicidade e com isto criaria um fato novo para os jogadores acertar a pontaria, e fazer mais GOLS nos adversários. nnNoto que os atletas atuais perderam ou ainda não encontraram esta gratuita referência de lugares pontuais, e devido a isto, a coitada da BOLA vai lá para o céu, nas cadeiras mesmo JOGANDO dentro de casa.nnDeveriam chutar de olhos fechados a onde a coruja dorme, a onde o Valdomiro colocava a bola com seus potentes chutes, a onde o Escurinho cabeçava a bola sem chances para o goleiro adversário.nnEm fim, poderiam relacionar muitos outros craques que tiveram êxito com os pontos de referências que faziam parte do dia a dia deles, para fazer muitos GOLS e vencer o JOGO.nnAbs. Dorian Bueno Google+, POA, 16.11.2016n