Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 03 de novembro de 2016. Atualizado às 00h03.

Jornal do Comércio

Colunas

COMENTAR | CORRIGIR
Dom Jaime Spengler

A voz do Pastor

Notícia da edição impressa de 03/11/2016. Alterada em 02/11 às 22h10min

Somos uma Igreja formada por discípulos missionários

Todos os anos temos a oportunidade de aprofundar a dimensão missionária que faz parte essencial de nossa vida cristã, pois, como Igreja peregrina, somos, "pela própria natureza, uma Igreja missionária" (Ad Gentes, n. 3). Nesse sentido, todo aquele que se torna pelo batismo discípulo de Jesus Cristo e membro de sua Igreja deve reconhecer-se chamado a evangelizar.
Essa dimensão intrínseca ao nosso ser cristão nos leva a compreender melhor o grande apelo do Papa Francisco para que sejamos de fato uma Igreja em saída. O fundamento dessa exortação está bem claro no mandato missionário de Jesus: "ide, pois, fazer discípulos entre todas as nações, e batizai-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Ensinai-lhes a observar tudo o que vos tenho ordenado" (Mt 28, 16).
Sem dúvida, esse mandato do Senhor se estende a todos nós batizados que, pela graça de Deus, fomos incorporados à sua igreja. Afirma ainda o Papa: "todos somos chamados a esta nova 'saída' missionária. Cada cristão e cada comunidade há de discernir qual é o caminho que o Senhor lhe pede, mas todos somos convidados a aceitar essa chamada: sair da própria comodidade ter a coragem de alcançar todas as periferias que precisam da luz do Evangelho" (EG, n. 20).
Infelizmente, conforme percebemos em nossas comunidades, muitos que foram agraciados com o sacramento do batismo não compreenderam essa exigência intrínseca ao mesmo, pois vivem sem nenhum comprometimento com a vida em comunidade. Sem contar aqueles que estão vivendo totalmente afastados da Igreja e ainda se afirmam católicos. Junta-se a essa realidade um bom número de pais que buscam o batismo para seus filhos com motivações que são mais de cunho cultural, social ou até marcados por certas superstições. Talvez a questão mais exigente que temos ainda são aqueles que nem buscam mais nada no âmbito religioso. Vivem como se a Igreja não tivesse nenhuma importância para suas vidas.
Essa é uma realidade que nos desafia e muito. Assim, todos nós que temos consciência da graça batismal recebida e queremos seguir os ensinamentos de Jesus como discípulos missionários devemos nos colocar com total disposição e assumirmos mais profundamente o mandato de Jesus para que todos se tornem seus discípulos e observem seus ensinamentos.
Como meios concretos, por meio dos quais poderemos fortalecer essa consciência em torno da graça batismal que nos abre caminho para que sejamos de fato discípulos missionários do Senhor, podemos destacar alguns pontos importantes, tais como o fortalecimento das pequenas comunidades, o empenho para a solidificação do processo de Iniciação à Vida Cristã, a leitura orante da Palavra de Deus e, por fim, o empenho na aplicação das propostas que as Pontifícias Obras Missionárias (POM) nos enviam todo ano. Neste ano, por exemplo, a Campanha Missionária nos ajudou a recordar aquilo que o Papa Francisco fala em sua Carta Encíclica Laudato Si, ou seja, cuidar da casa comum é nossa missão.
Que todos nós, dóceis ao Espírito Santo de Deus, possamos compreender melhor ainda a graça batismal e sejamos na Igreja e no mundo verdadeiros discípulos missionários do Senhor.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia