Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 24 de novembro de 2016. Atualizado às 09h18.

Jornal do Comércio

Panorama

COMENTAR | CORRIGIR

Dança

Notícia da edição impressa de 24/11/2016. Alterada em 24/11 às 10h22min

1ª edição do festival Gestos contemporâneos é realizado em Porto Alegre

Teresinhas, do Meme Grupo de Pesquisa de Movimento, no festival Gestos Contemporâneos

Teresinhas, do Meme Grupo de Pesquisa de Movimento, no festival Gestos Contemporâneos


CLAUDIO ETGES/DIVULGAÇÃO/JC
Michele Rolim
Com a intenção de resgatar a memória histórica e cultural da dança gaúcha, ocorre de hoje a domingo a 1ª edição do festival Gestos contemporâneos, na Capital. A iniciativa busca resgatar o festival Dança Porto Alegre cuja última edição ocorreu há 15 anos e alavancou muito grupos contemporâneos na época.
A criadora do evento foi a atriz, diretora e produtora cultural Sonia Duro (1946-2002), que é a homenageada do festival e, em 2016, completaria 70 anos. A atriz ganha uma mostra fotográfica, com curadoria de Sandro Lupatini, na Sala de Exposições do Theatro São Pedro (Praça da Matriz, s/nº). "Sonia faleceu produzindo no Estado e no município e sempre incluindo a dança nas artes cênicas, as vezes sentimos falta disso, parece que as artes cênicas só pertencem ao teatro o que não é verdade", diz a curadora do festival, Maria Walesca Van Helden, que também é a diretora da Geda Cia. de Dança.
Com idealização de Dilmar Messias, diretor do Theatro São Pedro, o evento reúne 18 grupos e bailarinos gaúchos, no Theatro São Pedro, Multipalco (Praça da Matriz, s/nº) e Biblioteca Pública do Estado (Riachuelo, 1190). Segundo Maria as companhias que se apresentam no palco do Theatro São Pedro existem, pelo menos, desde a última edição do Dança Porto Alegre. "São os grupos que desde daquela época resistiram até agora quase como sobrevivente, buscando maneiras independentes de seguir no cenário", diz a curadora. Nos outros lugares serão apresentados espetáculos que dialogam com a arquitetura dos espaços.
"Do ponto de vista de produção continuamos sofrendo da falta de visibilidade, no entanto, essa falta de intercâmbio também vale para outros estados. Eu vejo uma dificuldade da dança em todo o país. Os editais para dança ainda estão restritos. Nós não temos e nem tivemos uma companhia no Estado subvencionada por uma empresa como a Petrobrás, e não é por falta de qualidade", frisa Maria Walesca.
O espetáculo de abertura do festival fica por conta de Buraco - discurso do invisível, da Terpsi/Coletivo de Dança de Canoas, às 20h, no Multipalco Theatro São Pedro. A direção e concepção são de Carlota Albuquerque.
Entre os destaques ao longo dos quatro dias de programação estão Acuados, da Ânima companhia de dança com direção de Eva Schul. A montagem busca denunciar a questão da violência contra a mulher.
O público também vai poder visualizar Desvio, da Muovere Cia de Dança, concebido por Jussara Miranda inspirado em ações corporais ordinárias de transeuntes na relação com o trânsito. A proposta do espetáculo é associar o espaço da cidade com a dança artística.
Já com inspiração no texto de Vinícius de Moraes está Teresinhas, do Meme grupo de Pesquisa de Movimento, com direção de Paulo Guimarães. Na montagem estão a trajetória de uma mulher em diferentes etapas de sua vida. Em cena, oito bailarinas entre 30 e 70 anos interpretam a personagem principal, oferecendo ao espectador uma reflexão sobre a mulher e suas escolhas.
Outro destaque é IN/compatível?, da Eduardo Severino Cia de Dança, que retrata a robotização da união entre quatro personagens através de uma linguagem contemporânea. A concepção coreográfica é de Eduardo Severino e Luciano Tavares.
Também integram a programação os grupos e artistas: Luciana Dariano, Companhia H, Geda Cia de Dança Contemporânea, Thais Petzhold, Luciana Paludo, Carla Vendramin, Macarenando Dance Concept, Coletivo Joker, Porto Alegre Companhia de Dança, Cássia Navas, Por quá? E Vida Seca, Diversos Corpos Dançantes, Coletivo Moebius, Espaço em Branco e Andréa Spolaor.
A realização do festival é do Sistema Fecomércio-RS/Sesc e Theatro São Pedro. Os ingressos para os espetáculos do palco estão à venda na bilheteria do Theatro São Pedro, com valores entre R$ 20,00 (para uma atração) e R$ 60,00 (para todo o festival). A programação completa está no site http://www.teatrosaopedro.com.br e no www.facebook.com/sescportoalegre .
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia