Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 23 de novembro de 2016. Atualizado às 22h53.

Jornal do Comércio

JC Logística

COMENTAR | CORRIGIR

Concessões

Notícia da edição impressa de 24/11/2016. Alterada em 23/11 às 16h12min

Investigações devem avançar sobre concessões

Pela legislação atual, a empresa que administra terminais aéreos fica sócia minoritária das concessionárias

Pela legislação atual, a empresa que administra terminais aéreos fica sócia minoritária das concessionárias


ANEAA/DIVULGAÇÃO/JC
Um novo personagem que virou alvo da Operação Lava Jato poderá servir como elo para que as investigações avancem sobre concessões de aeroportos e rodovias no País. O advogado Rodrigo Tacla Duran, que teve mandado de prisão expedido na quinta-feira passada, é suspeito de intermediar o pagamento de propinas para duas empresas que têm contratos no setor e estão sob investigação.
Entre elas está a Triunfo Participações, uma das donas da concessionária que controla o Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas. É a segunda integrante do consórcio a cair no radar da Lava Jato. A UTC Engenharia, também sócia da concessão, é acusada de integrar o cartel de empreiteiras que atuava na Petrobrás. Seu dono, Ricardo Pessoa, foi preso e fechou acordo de delação premiada. Ele foi um dos delatores a apontar Tacla Duran como operador de propinas.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia