Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 06 de dezembro de 2016. Atualizado às 19h17.

Jornal do Comércio

JC Contabilidade

COMENTAR | CORRIGIR

Gestão

Notícia da edição impressa de 07/12/2016. Alterada em 06/12 às 18h35min

Empresas têm de refazer acordosde recuperação judicial

Comércio é o setor que mais tem recorrido a novas rodadas de negociações

Comércio é o setor que mais tem recorrido a novas rodadas de negociações


DIVULGAÇÃO/JC
Quase dois anos depois de ter o plano de recuperação judicial aprovado pelos credores, a fabricante de rodas de liga leve Mangels teve de rever o acordo para continuar de pé. Há pouco mais de duas semanas, a empresa conseguiu aprovar em assembleia as novas condições do plano de recuperação, que preveem a extensão dos prazos de pagamento da dívida, de cerca de R$ 500 milhões. A companhia alegou que a forte e rápida deterioração da economia brasileira afetou as premissas do plano original e, com isso, os pagamentos de 2017 poderiam ser comprometidos.
O caminho seguido pela Mangels também tem sido a alternativa de outras centenas de empresas com dificuldades para cumprir os planos de recuperação. Um levantamento feito pelo Instituto Nacional de Recuperação Empresarial (Inre) mostra que o número de companhias que estão revendo os acordos com os credores, num universo de cerca de 6 mil empresas, cresceu 31,5% nos últimos dois anos.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia