Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 27 de novembro de 2016. Atualizado às 21h08.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

Gestão

Notícia da edição impressa de 28/11/2016. Alterada em 25/11 às 17h06min

Empresas familiares crescem mais rápido, mas têm menor rentabilidade no Brasil

Pesquisa foi realizada com cerca de 200 negócios de família e envolveu aproximadamente mil companhias

Pesquisa foi realizada com cerca de 200 negócios de família e envolveu aproximadamente mil companhias


CREATIVEART/FREEPIK.COM/DIVULGAÇÃO/JC
Mesmo com menor rentabilidade, empresas familiares crescem mais rápido do que outras companhias em mercados emergentes. Essa é uma das descobertas do artigo "O que torna as empresas familiares em mercados emergentes tão diferentes?", recém-lançado pelo The Boston Consulting Group (BCG). Segundo o relatório, o CAGR (Taxa de Crescimento Anual Composta, na sigla em inglês) para empresas familiares em mercados emergentes é de 3% a 5% maior do que para outras companhias. No Brasil, o segmento apresenta crescimento de 21% e 5% de rentabilidade em comparação com 18% de crescimento e 8% de rentabilidade de não familiares.
Os países emergentes também apresentam uma porcentagem maior de empresas familiares. Enquantonos Estados Unidos e na Europa (Alemanha e França), elas representam 33% e 40% do mercado, no Brasil e na Índia esta porcentagem é de 46% e 56%, respectivamente.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia