Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 28 de outubro de 2016. Atualizado às 16h58.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

Alterada em 28/10 às 18h01min

Governo Temer silencia sobre acusações de Odebrecht contra Serra

Folhapress
O governo Michel Temer silenciou nesta sexta-feira (28) sobre as acusações envolvendo o ministro das Relações Exteriores, José Serra (PSDB).
Após a reunião nesta manhã Itamaraty, que contou com a presença dos presidentes dos três Poderes e de vários ministros, Temer fez uma breve declaração, respondeu a apenas uma pergunta, mas se calou quando questionado sobre as acusações feitas pela Odebrecht contra Serra.
Como revelou a Folha de S.Paulo nesta sexta, executivos da empresa apontaram à Lava Jato dois nomes como sendo os operadores de R$ 23 milhões pagos pela empreiteira via caixa dois à campanha presidencial do hoje chanceler, na eleição de 2010, em conta na Suíça.
O acerto do recurso no exterior, segundo a construtora, foi feito com o ex-deputado federal Ronaldo Cezar Coelho (ex-PSDB e hoje no PSD), que integrou a coordenação política da campanha de Serra.
O suposto caixa dois operado no Brasil, de acordo com os relatos, foi negociado com o também ex-deputado federal Márcio Fortes (PSDB-RJ), próximo de Serra.
No momento da pergunta da reportagem, Temer já encerrava a entrevista para a imprensa e virou de costas, subindo as escadas que levam aos gabinetes do Itamaraty.
Antes disso, limitou-se a exaltar a reunião como inédita e dizer que "o clima foi de harmonia absoluta e de responsabilidade. Todos eles, todos nós, voltados para este tema [segurança pública]".
O ministro da Defesa, Raul Jungmann, que acompanhava a declaração de Temer, também não quis comentar as acusações contra Serra. "Eu cuido da Defesa, não vou responder a isso", esquivou-se.
O ministro José Serra participou das mais de três horas de reunião sobre segurança pública e também do almoço que aconteceu em seguida.
Ele rapidamente apareceu com Temer, sorridente, na porta de saída do Palácio do Itamaraty, quando a presidente do STF, Cármen Lúcia, despedia-se dos demais presentes ao encontro. Ela não participou do almoço.
Desde o meio da reunião já estava estabelecido que Serra não falaria com a imprensa, segundo assessores, para se poupar de desgaste. O chanceler embarca ainda nesta sexta-feira para Cartagena, na Colômbia, onde tem um encontro da Cúpula Iberoamericana.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia