Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 14 de outubro de 2016. Atualizado às 19h42.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

operação lava jato

Alterada em 14/10 às 19h45min

Citado por delator da Lava Jato, deputado Luiz Sérgio nega ter recebido vantagens

O deputado Luiz Sérgio (PT-RJ) disse por meio de nota que "jamais recebeu, direta ou indiretamente, qualquer vantagem para barrar a convocação de quem quer que seja na CPI da Petrobras da qual foi relator no período de fevereiro a outubro de 2015".
A menção a isso foi feita pelo lobista Zwi Skornicki à Procuradoria-Geral da República, em delação homologada pelo Supremo Tribunal Federal. "Com relação à participação de autoridades com prerrogativa de foro, o colaborador, em seus termos 11 e 13, afirmou que a empresa Keppel pagou parte da propina ajustada com João Vaccari (ex-tesoureiro do PT) em nome do Partido dos Trabalhadores para o deputado Luiz Sérgio Nóbrega de Oliveira. Este mesmo parlamentar teria intercedido para a não convocação do colaborador à CPI da Petrobras", afirma a Procuradoria.
O deputado afirmou que a "acusação só pode ser explicada pelo desespero de alguém que se vê na posição de ter que entregar algo às autoridades judiciais - ainda que sem qualquer prova ou mesmo indício - com a finalidade única de abrandar a própria condenação."
Ele afirmou ainda que aguardará o desenrolar das investigações e está à disposição para responder a questionamentos a esse respeito no âmbito da Justiça.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia