Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 04 de outubro de 2016. Atualizado às 22h08.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

Alterada em 04/10 às 22h10min

STF abre quarto inquérito para investigar Raupp na lava jato

O ministro Teori Zavascki, relator da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal (STF), determinou a abertura de mais um inquérito contra o senador Valdir Raupp (PMDB-RO). O processo tem como objetivo apurar as denúncias de que o peemedebista teria cometido crimes de corrupção passiva, tráfico de influência e lavagem de dinheiro. Este é o quarto pedido de investigação solicitado à Corte pela Procuradoria Geral da República (PGR).
O novo pedido da PGR se baseia na delação premiada do lobista Fernando Soares, conhecido como Fernando Baiano, apontado como operador do PMDB no esquema de corrupção da Petrobras. Em depoimento, o lobista afirmou que a empreiteira gaúcha Brasília Guaíba teria procurado Raupp para intermediar negócios com a estatal. Em troca, o parlamentar exigiria doações de campanha.
Em nota, Raupp negou as acusações e criticou a delação premiada de Soares, que classificou de "mentirosa e grotesca". "Essa delação beira o senso do ridículo por carecer de qualquer indício de veracidade. É uma estória com enredo totalmente fantasioso e que não se sustentará por muito tempo", diz o texto.
Caberá, agora, à Procuradoria Geral da República avaliar as suspeitas e decidir se há ou não indícios para que ele responda a uma ação penal. Ao autorizar a abertura de inquérito, Teori ressaltou que a decisão sobre o que investigar é da PGR e que compete ao Supremo somente acompanhar a regularidade do processo. "Observadas essas circunstâncias, nada impede a instauração do presente inquérito, a fim de que se apure suposta prática dos crimes atribuídos aos investigados", declarou Teori.
Na semana passada, Teori determinou a abertura de um outra inquérito contra Raupp, dessa vez baseado no acordo de delação premiada de Nestor Cerveró, ex-diretor da Petrobras. Em depoimento ao Ministério Público Federal, ele acusou Raupp de receber propina em contratos da BR Distribuidora, subsidiária da estatal petroleira.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia