Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 04 de outubro de 2016. Atualizado às 22h33.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

eleições 2016

Notícia da edição impressa de 05/10/2016. Alterada em 04/10 às 22h00min

Coligação de Maurício Dziedricki dará apoio em bloco no segundo turno

Partidos vão ouvir candidatos antes de definir apoio

Partidos vão ouvir candidatos antes de definir apoio


MARCELO G. RIBEIRO/JC
Bruna Suptitz
Esta semana será marcada pelo assédio ao PTB pelos candidatos que chegaram ao segundo turno na eleição de Porto Alegre. As candidaturas de Nelson Marchezan Júnior (PSDB) e Sebastião Melo (PMDB) se reunirão hoje e amanhã com os partidos que compuseram a chapa encabeçada pelo petebista Maurício Dziedricki em primeiro turno - PR, SD, PSC, PTdoB e PRP.
A ideia é que a coligação decida em bloco quem irá apoiar na sequência do pleito. Com 13,68% dos votos válidos, Dziedricki alcançou o quarto lugar na eleição, superando a expectativa das pesquisas de opinião. O apoio no segundo turno pode ser estratégico pela orientação aos mais de 97 mil votos conquistados pela coligação.
Dziedricki avalia que o eleitor depositou seu voto em um projeto político, compromisso esse que deve ser respeitado na definição dos rumos na eleição. Na conversa com os candidatos, a prioridade será por quem assumir a "adoção dos projetos que apresentamos nos debates", informou.
Além do eleitorado, outro ponto que atrai é o apoio que os partidos podem prestar ao futuro governo na Câmara de Vereadores, já que garantiu seis vagas no Legislativo Municipal: quatro cadeiras para o PTB, uma para o PR e outra para o SD.
O PV definiu, na segunda-feira, apoio a Marchezan. Ainda no primeiro turno, os diretórios municipal e estadual haviam manifestado apoio ao tucano, mas o partido seguiu com candidatura própria por decisão da Justiça, fazendo prevalecer a decisão da convenção.
O Partido Novo, que terá uma cadeira na próxima legislatura, não definiu se irá apoiar algum candidato. Como cada filiado tem liberdade de se manifestar independente da sigla, o vereador eleito Felipe Camozzato informa que irá se posicionar, mas não adiantou para quem será o apoio.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia