Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 03 de outubro de 2016. Atualizado às 17h43.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Operação Lava Jato

Alterada em 03/10 às 17h46min

Defesa de Claudia Cruz decide perguntas a políticos em processo

Agência O Globo
Os advogados Cláudia Cruz, mulher do deputado federal cassado Eduardo Cunha, protocolaram nesta segunda-feira as perguntas que farão aos deputados federais e ao ministro chamados como testemunhas de defesa. Felipe Maia (DEM-RN), Gilberto Nascimento (PSC-SP), Átila Lins (PSD-AM) e Bruno Araujo (PSDB-PE), que hoje ocupa o Ministério das Cidades, tiveram seus depoimentos no processo substituídos por declarações escritas.
A defesa quer saber dos parlamentares e do ministro Bruno Araújo como e se conheciam Claudia Cruz e Eduardo Cunha, se tinham conhecimento sobre os negócios desenvolvidos por Cunha antes de se dedicar ao mandato parlamentar, se já realizaram reuniões de negócios com Cláudia Cruz ou fizeram viagens ao exterior com Cláudia Cruz e Eduardo Cunha.
Cláudia Cruz foi denunciada pela força-tarefa da Operação Lava Jato por lavagem de dinheiro e evasão de divisas. O Ministério Público Federal afirma que ela foi beneficiada, por meio de contas na Suíça, de US$ 1,5 milhão que seriam propinas recebidas por Eduardo Cunha devido à compra pela Petrobras de um campo de exploração de petróleo em Benin, país africano. Para o MPF, Cláudia Cruz usou o dinheiro em compras de luxo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia