Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 26 de outubro de 2016. Atualizado às 23h43.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Estados Unidos

Notícia da edição impressa de 27/10/2016. Alterada em 26/10 às 19h47min

Mais de 10 milhões já votaram nos Estados Unidos

Até 8 de novembro, data da eleição, 45 milhões devem registrar escolha

Até 8 de novembro, data da eleição, 45 milhões devem registrar escolha


Andrew CABALLERO-REYNOLDS/AFP/jc
Mais de 10 milhões de eleitores dos Estados Unidos já haviam votado para presidente até a noite de terça-feira, a duas semanas das eleições no país. As estatísticas foram fornecidas pelo site United States Elections Project e pelo grupo de análise eleitoral da agência de notícias Associated Press.
A legislação eleitoral dos EUA permite que o voto seja antecipado, ou que cidadãos votem pelo correio. A medida é uma forma de facilitar a participação, o que é importante em um país onde o voto não é obrigatório. Como o sistema eleitoral é descentralizado, cada estado estabelece regulações próprias para o voto antecipado. Existem mecanismos de voto antecipado em 36 estados e no distrito de Columbia (sede da capital norte-americana, Washington).
Espera-se que 45 milhões registrem sua escolha antes da data da eleição, em 8 de novembro, e que a votação antecipada possa atingir 40% do eleitorado. Caso essa previsão venha de fato a se confirmar, será reforçada uma tendência crescente entre os eleitores norte-americanos de preferência por votar antecipadamente. Em 2012, foram registrados 35% de votos antecipados, já em 2000 foram apenas 16%.
Nas eleições de 2016, o mecanismo de voto antecipado parece dar alguma vantagem para a candidata democrata, Hillary Clinton, cuja campanha tem uma estrutura maior que a de seu rival republicano, Donald Trump. Tendo isso em vista, a equipe de Hillary apostou em uma mobilização massiva para registrar eleitores e para estimulá-los a depositar seus votos, antecipadamente ou no dia da eleição.
Para motivar as pessoas a votar, vale de tudo: e-mails, telefonemas, mensagens de texto e até bater de porta em porta. Essa pressão deve contribuir para um maior comparecimento às urnas em favor da democrata. Ainda assim, os votos antecipados só serão apurados após o fechamento das urnas e uma provável vantagem de Hillary na votação antecipada não lhe garante a vitória na corrida pela Casa Branca.

Pela primeira vez, país se abstém em votação da ONU contra embargo a Cuba

Pela primeira vez em 25 anos, a diplomacia dos Estados Unidos se absteve de votar sobre uma resolução da Organização das Nações Unidas (ONU) que pede o fim do embargo norte-americano a Cuba. A Assembleia Geral aprovou ontem a resolução. Esta foi a 25ª vez que a resolução apresentada por Cuba foi aprovada, mas agora teve o voto favorável de 191 dos 193 países que a integram. Israel também se absteve de votar.
A decisão norte-americana de mudar seu voto segue uma série de medidas do governo do presidente Barack Obama para restaurar totalmente as relações diplomáticas do país com Cuba. Ele já se pronunciou publicamente contra o embargo, que é mantido pelo Congresso de maioria republicana.
A abstenção "não quer dizer que os Estados Unidos estejam de acordo com todas as políticas e todas as práticas do governo cubano", afirmou a embaixadora norte-americana na ONU, Samantha Powers, acrescentando que os EUA estão de olhos nas violações de direitos humanos na ilha caribenha.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia