Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 16 de outubro de 2016. Atualizado às 21h51.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Estados Unidos

Notícia da edição impressa de 17/10/2016. Alterada em 16/10 às 19h40min

Hillary tem liderança consolidada

Democrata abriu 11 pontos percentuais de Donald Trump

Democrata abriu 11 pontos percentuais de Donald Trump


Brendan Smialowski/AFP
Uma nova pesquisa Wall Street Journal/NBC News aponta que a candidata democrata à presidência dos Estados Unidos, Hillary Clinton, expandiu sua liderança sobre o seu adversário, o republicano Donald Trump, para 11 pontos percentuais entre os prováveis eleitores, passando a ter 48% das intenções de voto, ante 37% de seu opositor. Em setembro, a vantagem era de seis pontos.
Trump tem frequentemente questionado a precisão de pesquisas que o mostram atrás de Hillary. Seus defensores dizem que as análises subestimam a força do candidato, argumentando que algumas pessoas que pretendem votar em Trump estão relutantes em revelar sua preferência aos pesquisadores.
A queda dos percentuais de voto nas pesquisas e a enxurrada de críticas e desistências por parte de apoiadores para ter impactado o bilionário republicano, que partiu para o ataque no sábado. Ele afirmou que meios corruptos tentam manipular as eleições de novembro em favor de sua rival, e que ela estava dopada durante o último debate. "A eleição está sendo manipulada pela imprensa corrupta que utiliza alegações completamente falsas e espalha mentiras em um esforço de eleger Hillary presidente", acusou o republicano durante um comício em New Hampshire.
Trump disse ainda que a candidata democrata tomou medicamentos para melhorar seu rendimento durante seu último debate na TV, em 9 de outubro. "Não sei o que acontece. No início de seu último debate, estava toda estimulada. No final, (...) quase não pôde chegar a seu carro", disse. "Fazem os atletas realizarem exame de drogas. Acho que deveríamos fazer um teste antidoping antes do debate. Por que não fazemos isso?", propôs Trump. A equipe de campanha de Hillary reagiu a essas declarações, denunciando "tentativas vergonhosas que tentam desacreditar uma eleição a algumas semanas de ela ser realizada".
O debate presidencial de quarta-feira, em Las Vegas, é o terceiro e último entre Hillary e Trump. Os dois primeiros debates não influenciaram muito os eleitores, mas a pesquisa descobriu sinais de que eles fizeram mais por Hillary do que por seu adversário. Cerca de 31% dos eleitores disseram que os debates os tornava mais propensos a apoiar Hillary, enquanto 14% declararam que os tornaram mais inclinados a votar em Trump.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia