Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 31 de outubro de 2016. Atualizado às 18h08.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Segurança

31/10/2016 - 18h31min. Alterada em 31/10 às 19h12min

Violência interdita celas de duas delegacias de Porto Alegre

Suzy Scarton
Depois de dois episódios de agressões a presidiários que estão sendo mantidos nas celas da 2ª e da 3ª Delegacias de Polícia de Porto Alegre (DPPA), o diretor da Divisão Judiciária de Operações da Polícia Civil, delegado Marco Antônio de Souza, decidiu interditar os espaços. A partir de agora, novos detidos serão mantidos em viaturas e não serão levados para o interior das delegacias.
Na madrugada de segunda-feira (31), um preso foi agredido e teve de ser resgatado de dentro da sala. Na segunda pela manhã, houve outro episódio, vitimando outro homem. Não há previsão para que as delegacias voltem a receber presos. Segundo o delegado, a Polícia Civil recebeu a informação de que uma facção estaria planejando executar algum dos presos mantidos em delegacias como forma de protestar contra a superlotação dos presídios. “Até fazermos a devida apuração para identificarmos se os presidiários correm perigo ou não, não receberemos novos detidos”, pondera.
Atualmente, oito homens estão detidos na 3ª DPPA e 16, na 2ª DPPA. Além disso, outros três estão sendo mantidos em viaturas em frente à 2ª DPPA. Para Souza, os espaços dentro das delegacias não são adequados para a função que estão recebendo. “O ideal é que o preso ficasse apenas algumas horas nessa cela, que na verdade é uma sala reforçada, antes de ser transferido ao sistema penitenciário. Como não há como encaminhá-los, eles ficam nas delegacias, mas não há chuveiro, nem espaço para higiene pessoal”, explica.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia