Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 31 de outubro de 2016. Atualizado às 08h23.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Campeonato Brasileiro

Notícia da edição impressa de 31/10/2016. Alterada em 30/10 às 21h46min

Em jogo fraco, Grêmio e Figueirense não saem do 0 a 0

O confronto de sábado entre Figueirense e Grêmio, disputado no Orlando Scarpelli, em Florianópolis, foi tão ausente de emoção que chega a ser um desafio descrevê-lo. O placar final de 0 a 0 foi coerente com a baixa qualidade do jogo, um dos mais sonolentos de todo o Brasileirão. De um lado, gremistas demonstrando claro desinteresse pela partida; do outro, um Figueirense até interessado, mas de baixa criatividade e efetividade próxima do zero. O placar deixou o Grêmio na oitava posição, com 49 pontos, dois atrás do Atlético-PR, último clube na faixa de classificação para a Libertadores.
Com uma equipe formada por reservas, o Tricolor jogou a maior parte do tempo fechado, apostando nas saídas em velocidade. O problema é que elas quase não vieram durante toda a partida, já que o Figueirense, mesmo precisando muito da vitória, cercou-se de precauções em sua defesa. Com os dois times concentrados em não levar gols, foram poucas as chances de alguma alteração no placar. Bolaños cobrou de modo quase casual uma falta na trave de Gatito Fernández, Marcelo Grohe defendeu bem um cabeceio de Rafael Moura, e mais nada digno de nota aconteceu na primeira etapa.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia