Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 12 de outubro de 2016. Atualizado às 11h32.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

Eleições 2016

12/10/2016 - 00h02min. Alterada em 12/10 às 11h32min

TRE-RS indefere a candidatura do petista Ary Vanazzi, prefeito eleito de São Leopoldo

Vanazzi foi eleito com 33.850 votos na eleição de 2 de outubro

Vanazzi foi eleito com 33.850 votos na eleição de 2 de outubro


MARCO QUINTANA/Arquivo/JC
Em sessão realizada nesta terça-feira (11), o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RS) indeferiu o registro de candidatura de Ary Vanazzi (PT), prefeito eleito de São Leopoldo, município de Região Metropolitana de Porto Alegre.
A decisão foi tomada por unanimidade pelos juízes na análise de recurso das coligações Todos por São Leopoldo (composta por PSDB, PMDB, PSB, PTB, PSL e PPS), São Léo Será Diferente (composta por PP, PRB, PSDC, PV, PEN, DEM, PTC, PSC, PROS, PMN e PTN) e Acelera São Leopoldo (composta por PSD e PR), que disputaram a eleição em 2 de outubro. Os partidos alegam que a candidatura de Vanazzi deveria ter sido impugnada, em razão de condenações anteriores em processos por improbidade administrativa.
Em agosto, no entanto, o pedido de candidatura foi deferido pelo Ministério Público Eleitoral e Ari Vanazzi foi eleito prefeito de São Leopoldo com 33.850 votos, ou 30,26% dos votos válidos.
Esta foi a terceira vez que o político foi eleito prefeito de São Leopoldo – o petista foi eleito pela primeira vez em 2004 e reeleito em 2008.
A decisão cabe recurso junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Em nota, o coordenador da campanha de Vanazzi, Marcel Frison, e a coordenadora de assuntos jurídicos, Angelita Belleza, afirmam que o recurso que será interposto no TSE deverá ter efeito suspensivo automático, e que todas as medidas deverão ser tomadas para garantir sua diplomação e posse.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia