Porto Alegre, sexta-feira, 16 de outubro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 16 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

DOENÇAS DEGENERATIVAS

- Publicada em 15h35min, 04/10/2016. Atualizada em 16h13min, 15/10/2020.

Apoio é essencial para o tratamento

Lapsos de memória, mãos trêmulas ou dificuldades em fazer tarefas corriqueiras. Esses são apenas alguns dos sintomas de três das doenças degenerativas diferentes, mas parecidas em um aspecto fundamental para o seu enfrentamento: o apoio da família. As pessoas que sofrem de doenças degenerativas, como Alzheimer, Parksinson e Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), perdem gradualmente a capacidade sobre suas funções vitais. Conforme o avanço dos sintomas, muitas precisam de acompanhamento constante, o que envolve toda uma organização por parte de familiares e cuidadores. Para ajudar a enfrentar essas enfermidades e orientar as famílias e pacientes, Porto Alegre conta com grupos de apoios gratuitos com equipes multidisciplinares, que promovem encontros para troca de experiências e informações sobre novos tratamentos e meios legais de conseguir medicação, por exemplo. O diagnóstico de uma doença degenerativa nem sempre é fácil e, geralmente, é feito por um neurologista após uma série de investigações que excluem outras doenças.
Lapsos de memória, mãos trêmulas ou dificuldades em fazer tarefas corriqueiras. Esses são apenas alguns dos sintomas de três das doenças degenerativas diferentes, mas parecidas em um aspecto fundamental para o seu enfrentamento: o apoio da família. As pessoas que sofrem de doenças degenerativas, como Alzheimer, Parksinson e Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), perdem gradualmente a capacidade sobre suas funções vitais. Conforme o avanço dos sintomas, muitas precisam de acompanhamento constante, o que envolve toda uma organização por parte de familiares e cuidadores. Para ajudar a enfrentar essas enfermidades e orientar as famílias e pacientes, Porto Alegre conta com grupos de apoios gratuitos com equipes multidisciplinares, que promovem encontros para troca de experiências e informações sobre novos tratamentos e meios legais de conseguir medicação, por exemplo. O diagnóstico de uma doença degenerativa nem sempre é fácil e, geralmente, é feito por um neurologista após uma série de investigações que excluem outras doenças.
Entenda as diferenças entre as doenças:
  • Alzheimer: É a principal causa de demência, perda de memória ou outras capacidades cognitivas, com declínio progressivo, e comprometimento da independência. Ocorre mais frequentemente nas pessoas acima dos 65 anos.
  • Parkinson: É um transtorno de movimento caracterizado pela combinação de três sinais clássicos: lentificação motora, rigidez e tremor de repouso. Além disso, pode ocorrer perda da capacidade de mover-se, mas sem paralisia, micrografia (letra minúscula), perda das expressões, instabilidade postural, alterações na marcha e postura encurvada para a frente. Ocorre mais frequentemente nas pessoas mais velhas.
  • Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA): É uma doença neurodegenerativa progressiva e fatal, caracterizada pela degeneração dos neurônios motores - células do sistema nervoso que controlam os movimentos voluntários, sem alterações de sensibilidade. Os sintomas geralmente aparecem depois dos 50 anos, mas também podem começar em pessoas mais novas. Os pacientes têm uma perda gradual de força e coordenação muscular que finalmente piora e impossibilita a realização de tarefas rotineiras, como subir escadas, levantar-se de uma cadeira ou engolir. Os músculos da respiração e da deglutição podem ser os primeiros a serem afetados. Conforme a doença piora, mais grupos musculares podem manifestar problemas.
Fonte: Marcia Lorena Fagundes Chaves, neurologista
Comentários CORRIGIR TEXTO