Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 31 de outubro de 2016. Atualizado às 09h13.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Taxas futuras de juros têm viés de baixa, em sintonia com dólar

Os juros futuros mostram viés de baixa, acompanhando o dólar na manhã desta segunda-feira (31), com investidores à espera dos indicadores e reuniões de políticas monetária nos Estados Unidos, Japão e Reino Unido ao longo da semana. Às 9h41min, o DI para janeiro de 2018 estava em 12,20%, na mínima, de 12,22% no ajuste anterior.

O DI para janeiro de 2019 exibia 11,50%, na mínima, de 11,54%, enquanto o vencimento para janeiro de 2021 estava em 11,30%, de 11,33% no ajuste de sexta-feira.

Na Focus desta segunda-feira, os economistas aumentaram a perspectiva de queda do Produto Interno Bruto (PIB) para 2016 e reduziram a estimativa para 2017, ao mesmo tempo em que mantiveram as projeções para inflação para o ano que vem em 5%. O boletim, no entanto, não chega a mexer com os negócios.

Para o PIB, a mediana das projeções para o crescimento do PIB de 2016 passou de uma retração de 3,22% para -3,30%, enquanto o PIB para 2017 foi revisto de +1,23% para +1,21%. O IPCA para 2017 permaneceu em 5% e para 2016, passou de 6,89% para 6,88%.

A mediana das projeções para a taxa Selic em 2016 seguiu em 13,50% e passou de 11,00% para 10,75% em 2017. No câmbio, a mediana das estimativas ficou inalterada em R$ 3,20 para fim de 2016 e em R$ 3,40 para o fim de 2017.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia