Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 28 de outubro de 2016. Atualizado às 18h28.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 28/10 às 19h28min

Petróleo fecha em queda pressionado por incertezas sobre acordo da Opep

Os contratos futuros de petróleo fecharam em queda nesta sexta-feira (28), e registraram a primeira perda semanal desde meados de setembro, com o aumento das incertezas sobre a viabilidade de implementação de um acordo entre grandes exportadores, que devem discutir uma proposta para limitar a produção da commodity. Preocupações políticas nos Estados Unidos também influenciaram o movimento.
Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o petróleo WTI para dezembro fechou em queda de US$ 1,02 (-2,05%), US$ 48,70 por barril. Na semana, esse contrato caiu 4,2%, na primeira perda em seis semanas, segundo dados da FactSet. No mês, o WTI observou um avanço de 1%.
Na Intercontinental Exchange (ICE), em Londres, o Brent para janeiro fecha em queda de US$ 0,92 (-1,78%), a US$ 50,68 por barril. O contrato para dezembro, que vence dia 31, caiu US$ 0,76 (-1,51%), a US$ 49,71 o barril. Na semana, esse último contrato caiu 4%.
No fim de semana, autoridades da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) se reunirão em Viena para discutir uma possível limitação da produção. As discussões serão seguidas por um outro encontro entre membros e não membros do cartel.
Espera-se que a Opep faça um anuncio formal no dia 30 sobre o destino do acordo. Caso seja bem sucedido no próximo mês, ele pode representar o primeiro comprometimento com uma redução entre os membros da organização em oito anos.
Ao passo em que as divisões entre a Opep "se tornavam cada vez mais aparentes, particularmente com a exigência do Iraque para que o país seja excluído do acordo, o mercado ficou cada vez mais cético de que o grupo possa ter um impacto significante na oferta", disse Robbie Fraser, analista de commodities da Schneider Electric.
Analistas dizem que a inimizade de longa data entre a Arábia Saudita e o Irã, vários pedidos de exclusão do acordo por parte de membros da Opep e um histórico de países que não cumpriam com suas cotas no passado apontam para uma fundação instável para o acordo.
Além disso, foi verificada uma aversão ao risco depois que o FBI anunciou que estava retomando as investigações sobre o servidor de e-mails da candidata democrata à presidência dos Estados Unidos, Hillary Clinton.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia