Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 31 de outubro de 2016. Atualizado às 08h13.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

varejo

Notícia da edição impressa de 31/10/2016. Alterada em 30/10 às 23h30min

Nem festa de Halloween escapa da crise

Lojas especializadas têm diversas opções em fantasias e adornos para o 31 de outubro

Lojas especializadas têm diversas opções em fantasias e adornos para o 31 de outubro


Fredy Vieira/JC
Adriana Lampert
O burburinho em meio aos 25 mil itens disponíveis na filial do Centro da loja Glow, em Porto Alegre, confirma que a comemoração do Halloween já integra oficialmente o calendário de vendas do varejo. Deste volume de produtos, pelo menos 10 mil são voltados especificamente para a data. Quase tudo que se pensar para o look da brincadeira está ali. No entanto, as vendas do período estão tímidas, pelo menos no que se refere ao tíquete médio dos produtos. "Comparando com outros anos, está fraco", admite o gerente da loja, André Janicsek. Ainda assim, a procura da última semana foi significativa, emenda.
Na Glow, a saída mais considerável foi de maquiagem, capas, fantasias e acessórios, a exemplo de cílios postiços e lentes de contato coloridas. "Temos opções de preços para todos os bolsos, com acessórios a partir de R$ 15,00", explica Janicsek. "O pessoal está apostando em peças mais baratas, como chapéu de bruxa, nariz postiço e capas", comenta a gerente da loja Linna Festas, Quelen Pinheiro. A empresa, que é uma das mais antigas do gênero, foi uma das que apostaram as fichas na data, decorando a loja de forma temática, para inspirar os consumidores. No fim da semana, a expectativa era de que as vendas aumentassem em 20%, em relação ao ano passado.
Mas a estimativa no restante do comércio de fantasias não ultrapassa os 10% de crescimento, comenta o presidente do Sindilojas Porto Alegre, Paulo Kruse, apesar de admitir que a demanda por produtos relacionados ao Dia das Bruxas brasileiro tem crescido a cada ano. "O Halloween virou tradição nas escolas infantis, e isso tem impulsionado o segmento", observa. O dirigente pondera que, ainda assim, a data não está entre as mais importantes para o varejo. "No caso das lojas de fantasias, por exemplo, o Carnaval ainda é o carro-chefe", destaca.
"Ao contrário do que parece, o Halloween é o nosso Natal", contrapõe a proprietária da VS Fantasias, Vanessa Jardim. Ela argumenta que, desde 2011, a procura por produtos relacionados à data vem crescendo consideravelmente. "Além das escolas, os clubes têm promovido muitas festas do gênero - para adultos, inclusive." Mãe de dois garotos - de seis e um ano -, a pedagoga Aline Russo decidiu pesquisar bastante antes de comprar. "Estou achando tudo um pouco caro", opina a consumidora, que, durante a semana passada, percorreu o comércio em busca de uma fantasia de zumbi para o filho mais velho. "Para o menor, acho que vou comprar só maquiagem e uma daquelas tiaras que imitam faca atravessando a cabeça."
A brincadeira de bater na porta dos vizinhos com um caldeirão de abóbora nas mãos, lançando o desafio dos doces ou travessuras, já tem ocorrido inclusive nos condomínios residenciais. "Está virando tradição e, para o segmento, isso é muito bom", comenta a proprietária da VS Fantasias. Em outubro, ela encomendou 4 mil itens para suprir a demanda da data. "Praticamente todo o estoque", mensura Vanessa, informando que o volume de produtos disponíveis na empresa gira em torno de 5 mil itens.

Decoração temática também atrai consumidores

Edinara e Eleonora foram em busca de acessórios decorativos
Edinara e Eleonora foram em busca de acessórios decorativos
JC
Nem só das vendas de fantasias e acessórios para o Dia das Bruxas vive o segmento durante o mês de outubro. Objetos de decoração com temática Halloween também se tornaram foco de desejo dos consumidores, ávidos por entrar no clima da brincadeira clássica em muitos países do mundo, mas principalmente nos Estados Unidos e Canadá. Buscando criar um ambiente descontraído nas salas de reuniões da empresa onde trabalham, as auxiliares administrativas Edinara Lopes e Eleonora Marchetti gastaram R$ 150,00 na compra de enfeites para as paredes, chapéus, minicaldeirões de abóboras e caveiras. "O pessoal despertou para a possibilidade de investir na decoração temática", comenta a gerente da Linna Festas, Quelen Pinheiro. "Isso compensa um pouco a queda nas vendas de fantasias para a data que ocorreu neste ano", pondera.
Uma das estratégias que a gerente da Linna aplicou durante o período foi promover tardes com música e funcionários fantasiados de monstros e bruxas. "É uma forma de atrair os consumidores para a loja, e acaba sendo divertido, pois incluímos atividades recreativas para as crianças, com instrutoras pintando as unhas dos pequenos." A loja também investe em propaganda pelas redes sociais e publica receitas de bolo com fotos temáticas, para inspirar aqueles que pretendem promover uma festa Halloween em casa. "Outra decisão que tomamos neste ano foi não aumentar os preços, mantendo os mesmos valores do ano passado", completa Quelen.
Na opinião do presidente do Sindilojas Porto Alegre, Paulo Kruse, o Halloween tem potencial para crescer como data de aumento de vendas no comércio. "Inclusive, para o ano que vem, iremos criar material promocional para distribuir nas lojas dos associados", antecipa. Ele observa que um dos fatores que colaboraram para que os preços do mercado permanecessem próximos aos do ano passado foi a queda da cotação do dólar.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia